linguagem da arte

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3706 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 16 de março de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto
1. A LINGUAGEM DA ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
A criança na educação infantil se encontra em fase de pensamento concreto e faz largo uso de seus sentidos para enriquecer suas experiências. Nesta fase, as atividades artísticas fornecerão ricas oportunidades para o seu desenvolvimento, uma vez que, põem ao seu alcance os mais diversos tipos de material para manipulação. Quando as habilidadesinfantis são estimuladas, ajudam no processo de aprendizagem, pois desenvolvem a percepção e a imaginação - recursos indispensáveis para a compreensão de outras áreas do conhecimento humano, estabelecendo, sempre, um diálogo entre todos os participantes da turma - uma questão fundamental para que haja uma comunicação ampla - que será ampliado, desenvolvido, trabalhado, estimulado, aprimorado epraticado com constância para que a criança tenha o máximo desempenho de sua capacidade cognitiva. A linguagem da arte na educação infantil tem um papel fundamental, envolvendo os aspectos cognitivos, sensíveis e culturais. Até bem pouco tempo o aspecto cognitivo não era considerado na a educação infantil e esta não estava integrada na educação básica. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação 9.394/96veio garantir este espaço à educação infantil, bem como o da arte neste contexto.
2. PERSPECTIVA HISTÓRICA
Para compreender a arte no espaço da educaçãoinfantil no momento atual, mesmo que brevemente, é preciso situar o panorama histórico das décadas de 80 e 90. Os referenciais que fundamentavam as práxis do profissional da educação infantil eram os Cadernos de Atendimento ao Pré-escolar (1982),criados pelo Ministério da Educação e Cultura – MEC. Os textos destes Cadernos para aquele momento histórico tiveram contribuição fundamental como subsídio para as ações dos educadores atuantes na educação infantil. Entretanto, o conhecimento fica em segundo plano, pois se centravam apenas nas questões emocionais, afetivas e psicológicas e nas etapas evolutivas da criança. Com relação à arte naeducação, os pressupostos eram muito mais voltados à recreação do que às articulações com a arte, a cultura e a estética. Como exemplo, é possível citar a ênfase em exercícios bidimensionais que priorizava desenhos e pinturas chapadas. Ou seja, os conceitos sobre arte resumiam-se a simples técnicas. De acordo com PILLOTTO (2000, 61) “é interessante observar que esse Caderno, embora tenha umafundamentação teórica voltada às concepções do ensino da arte modernista, na sua essência é muito mais tecnicista no que diz respeito aos exercícios repetitivos, mecânicos e sem a preocupação com a reflexão dos conceitos”.

3. PERSPECTIVA HISTÓRICA II
Na década de 90, o MEC lança o Caderno do Professor da Pré-Escola, com uma abordagem contextualista, na qual a arte deixa de ser tratada apenas comoatividade prática e de lazer, incorporando o ato reflexivo. Apesar dessas transformações, a arte permanecia ainda com foco em abordagens psicológicas e temáticas. A arte na educação infantil nesta década ainda buscava uma consistência teórica, conceitual e metodológica. A partir de 2000 as discussões reflexivas sobre a arte na educação infantil ganham novos espaços na literatura, nas propostascurriculares e especialmente na pesquisa. 
Como historicamente pode-se observar, a arte na educação infantil possuía um perfil de recreação e de desenvolvimento emotivo e motor. Hoje, a arte na educação infantil está em processo de rupturas e transformações, exigindo das políticas educacionais, dos cursos de Formação de Professores, especialmente das Licenciaturas em Arte, um comprometimento com osaspectos cognitivos, sensíveis e culturais.
4. OS MODELOS DE CONCEPÇÕES DE ARTE E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS
Os modelos predominantes do ensino da arte naeducação infantil oscilam entre o diretivismo técnico (saber fazer) e o laissez-fare (exprimir livremente sem interferência do professor). Uma abordagem considera a criança como tábula rasa e a outra a considera portadora de potencialidades...