Lima barreto: o homem que sabia javanes e a nova california - analise dos contos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 17 (4064 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 16 de dezembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
INTRODUÇÃO

Um dos mais importantes escritores brasileiros, Afonso Henriques de Lima Barreto nasceu no Rio de Janeiro em 1881 e morreu em 1922. Tem em sua vasta obra de contos, crônicas e romances a realidade urbana do Rio de Janeiro. Centro da vida social, política e cultural do país, a cidade é o cenário principal de seus escritos que têm a ironia, o sarcasmo e a caricatura como carroschefes. Funcionário público, mulato e morador dos subúrbios cariocas, Lima Barreto, como ficou conhecido, é um dos escritores mais importantes da literatura brasileira.
Suas obras podem ser caracterizadas como romance moderno e nelas o Lima Barreto de ideias republicanas retrata o contestado Brasil da Primeira República, representado por seus políticos, intelectuais, burocratas, mas também pelagente humilde dos subúrbios e das lavouras, no campo. Ele contrasta ao mesmo tempo a beleza da vida moderna com a miséria e as reformas do novo regime, que trazia mudanças, sobretudo para as classes pobres, que sofria com as prisões, a destruição dos cortiços e favelas. O projeto de modernização pretendia atingir os anseios da burguesia urbana, enquanto o restante da população compartilhava a falta deágua, a esperança de melhores condições de saúde, transporte e moradia.
O presente trabalho propõe-se a analisar contos selecionados do autor e a partir deles trabalhar as alegorias – sátira, caricatura, ironia – que ele usava para denunciar o seu tempo. Os contos escolhidos são “O Homem que Sabia Javanês” e “A Nova Califórnia”. As narrativas citadas foram escolhidas, haja vista as críticascontidas nas mesmas. A primeira, ambientada na capital, e a segunda, num lugarejo do interior, são narrativas de cunho principalmente político, nas quais Lima Barreto questiona o esvaziamento intelectual das elites burguesas, a posição política do governo da primeira república e os aspectos do modelo econômico que vigoravam. Será feita uma abordagem geral sobre a vida do autor e do contexto políticoda época em que viveu e escreveu, para assim podermos trabalhar os contos em si.






LIMA BARRETO POR OUTROS AUTORES: BREVES PALAVRAS, UM GRANDE ESCRITOR

O biógrafo e escritor Francisco de Assis Barbosa , aponta que Lima Barreto foi atuante dentro da Federação dos Estudantes, onde fez campanha contra o serviço militar obrigatório. Ele divide o perfil da atividade intelectual doliterato em duas épocas distintas. A primeira até os 30 anos, momento em que se inicia na vida literária e no qual escreve os seus romances mais importantes. A segunda fase se inicia em 1913, quando de sua primeira estadia no hospício. Lima Barreto escrevia muito, não só para a grande imprensa, mas também na imprensa alternativa da época. Tinha gosto pela literatura russa, como a de Tostói, Tchecov eDostoievsky, o que lhe o situava entre os poucos escritores de sua época com formação literária tão rara. Também lia Swift, Balzac e Cervantes. Os seus personagens eram a gente pobre e as suas obras retratavam a tradição suburbana do Rio de Janeiro. O funcionário público da Secretaria de Guerra combateu muito a Reforma Passos, a Reforma Frontin e a Reforma Sampaio.
Em Lima Barreto e o Fim doSonho Republicano, Carmem Lúcia Negreiros aponta que Lima Barreto representou a inovação, enquanto a maior parte da tendência intelectual estava presa ao romantismo sentimental. Para a autora “consideramos moderno, nos romances de Lima Barreto a apresentação da ironia que atinge a intensidade da sátira e o mesmo lugar da caricatura, garantindo, ainda, uma ação recíproca entre as diversas formas dearte”.
De acordo com Denilson Botelho, nas obras de Lima Barreto estão impressas uma leitura política dos acontecimentos. Influenciado pelo positivismo, humanismo, raça e civilização em sua produção, o literato lança as suas ideias contra a superioridade de raça europeia e sua civilização. Ele tinha intimidade com a cidade, andava por ela, fosse de trem, bonde ou a pé. Por morar nos subúrbios, o...
tracking img