Joaquim tenreiro

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1998 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de junho de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Universidade Estácio de Sá
Curso : Design de Interiores
Disciplina : Pioneiros do Design Moderno
Professor : Marcos
Alunos : Flávio Gonçalves e Marcelle Ribeiro de Matos

JOAQUIM TENREIRO – O Mestre da Madeira
Joaquim Albuquerque Tenreiro (Melo, Gouveia, 1906 — Itapira, 1992)



“Sempre fui muito inquieto. O que fiz foi reformular as dimensões dos móveis usados no Brasil, porque eleseram muito desconfortáveis. Defendi o artesanato com ardor, contra a industrialização que aviltava os móveis”.


Sumário

Apresentação ____________________________________________ página 3
Início da carreira de Joaquim Tenreiro _________________________ página 4
Apresentação do mobiliário__________________________________ página 6
Contribuição para as Artes plásticas ePintura____________________ página 10
Bibliografia_______________________________________________p

ágina 14

Apresentação
Neste trabalho abordamos um pouco da vida e das obras de Joaquim Tenreiro escultor, pintor, gravador e desenhista considerado o mestre da madeira.
Numa trajetória iniciada em fins dos anos 20 e que se prolongaria por mais de seis décadas, Joaquim Tenreiro tornou-se nacional einternacionalmente conhecido como o primeiro designer de móveis do Brasil.

Joaquim Tenreiro nasceu no ano de 1906 em Melo (Portugal) e faleceu em Itapira (SP) em 1992. Tenreiro  trazido pelos pais ao Brasil, viveu aqui em dois períodos, dos 3 aos 7 anos e, depois, dos 19 aos 20 anos. Mais tarde, já casado, decidiu emigrar de vez para o Rio de Janeiro, onde a princípio ganhou a vida como carpinteiro.
Em1929 matriculou-se num curso de desenho mantido pelo Liceu Literário Português e, dois anos mais tarde, seria dos membros mais ativos do  Núcleo Bernardelli.
Enquanto aprimorava suas aptidões artísticas, Tenreiro ia adquirindo boa reputação como designer, trabalhando de 1933 a 1943 em firmas como a Laubisch & Hirth, a Leandro Martins ou a Francisco Gomes, especializadas em fornecer móveisimitativos dos velhos estilos franceses, italianos, portugueses e de outras origens.
Em 1941, veio a grande mudança, ainda quando ainda trabalhava na Laubisch & Hirth. Atendendo uma encomenda, projetou os móveis da casa projetada por Oscar Niemeyer para o médico e colecionador Francisco Inácio Peixoto (1909-1986), em Cataguases – Minas Gerais. E assim surgiram os primeiros autênticos tenreiros.Considerado o “Pai do Móvel Moderno no Brasil”, Tenreiro iniciou verdadeiramente a sua trajetória no design moderno em Cataguases, uma pequena cidade do interior, na Zona da Mata mineira. Ele mesmo declarou, em depoimento a Maria Cecília Loschiavo dos Santos: “Quando Francisco Inácio Peixoto veio ver o projeto, logo arregalou os olhos e disse: é isso que eu queria. Aí começou a minha história domóvel moderno”.
Surgiram, então, os móveis inteiramente concebidos, projetados e executados por ele, e admiráveis pela sobriedade e beleza da forma e pela sábia utilização das preciosas madeiras brasileiras, combinadas entre si, ou a têxteis especialmente criados por artistas plásticos de renome.
     Para realizar tais móveis, Tenreiro debruçou-se atavicamente sobre a sua ancestralidadelusitana, responsável em séculos idos pelo surgimento de tantas obras-primas de singeleza e funcionalidade, e não em jornais e livros estrangeiros de Design, que sequer os havia no Brasil quando começou.
Tenreiro procurava fazer um móvel diferente daquele que se produzia. O móvel que até então se fazia guardava vícios do passado. Eram pesados, desproporcionais tanto no assento quanto no encosto oubraços. Então ele cria um móvel mais leve, mais funcional e mais cômodo, pois ele conceituava que “ o móvel, como muitas outras coisas de uso humano, tinha que se adaptar aos tempos, tomar novos rumos”.
Ele defendia o artesanato com ardor e era contra a industrialização pois segundo ele “esta alvitava os móveis”.A industrialização afugentava o homem da vida artesanal.
“Um dos maiores equívocos...
tracking img