Iustitiae

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 18 (4452 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de abril de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
DIREITO ROMANO "ACÇÕES DA LEI"
(Material extraído da internet - autor "desconhecido")
INTRODUÇÃO
Três períodos abrangeram a história do processo civil romano, compreendendo cada um seu sistema processual típico:
1º. Processo das acções da lei (legis actiones);
2º. Processo formulário (per formulas);
3º. Processo extraordinário (cognitio extraordinária).
Essa delimitação é apenasconvencional, pois apesar das três fases específicas e distintas, em momentos de mudança, coexistiram dois sistemas processuais diferentes até que o mais antigo caísse em desuso.
Em nosso estudo abordaremos o sistema das acções da lei, utilizado no direito pré-clássico. Porém, antes disso, a fim de um melhor entendimento da matéria, faz-se necessário o conhecimento de alguns conceitos e da evoluçãohistórica do processo civil romano.
PROCESSO CIVIL ROMANO
O Processo civil romano (Jus actionum) era o conjunto de regras que o cidadão romano deveria seguir para realizar seu direito.
Para os romanos o vocábulo Jus encerrava, também, o sentido que os modernos emprestam a direito subjectivo, ou seja, faculdade ou poder permitido e garantido pelo direito positivo. O direito subjectivo é tutelado pelaacção (actio) que, no sentido restrito que ainda hoje lhe atribuem, nada mais é do que actividade processual mediante a qual o particular procura concretizar a defesa dos direitos, pondo em movimento o aparelho judiciário do Estado. Para isso executa uma série de aptos jurídicos ordenados, o processo.
Direito e acção eram conceitos estritamente conexos no sistema jurídico romano. O romano concebia eenunciava o direito mais sob o aspecto processual que material. Durante toda a época clássica, o direito romano era mais um sistema de actiones e de meios processuais do que de direitos subjectivos. Hoje, temos um conceito genérico de acção; em Roma, a cada direito correspondia uma acção específica.
PASSAGEM DA JUSTIÇA PRIVADA PARA JUSTIÇA PÚBLICA
No início, os primitivos romanos, como inúmerosoutros povos, faziam justiça com as próprias mãos, defendendo o direito pela força. Só muito mais tarde, e em decorrência de longa evolução, é que houve a passagem da justiça privada para a justiça pública.
Conjectura-se que essa evolução se fez em quatro etapas:
1ª. fase da vingança privada, onde predominava a lei de Talião: "olho por olho dente por dente", estabelecida ainda na Lei das XIITábuas;
2ª. fase do arbitramento facultativo que perdurou por toda a evolução do direito romano, pois sempre se admitiu que os conflitos individuais fossem resolvidos por árbitros escolhidos, sem a interferência do Estado, pelos litigantes;
3ª. fase do arbitramento obrigatório que compreendeu o sistema de acções da lei e o processo formulário, onde o Estado passou a obrigar o litigante a escolherárbitro que determinasse a indemnização a ser paga pelo ofensor, e também, passou a assegurar a execução da sentença se, porventura, o réu não quisesse cumpri-la. Por esse motivo, vigorou o ordo indiciorum priuatorum (ordem dos processos civis), onde a instância se dividia em duas fases sucessivas: 1ª, a in iure (que se desenrolava no tribunal do magistrado); e 2ª, a apud iudicem (que se processavadiante do iudex, que era um particular escolhido pelos litigantes para julgar o processo). Há controvérsias sobre a data em que surgiu, em Roma, essa divisão. A maioria dos autores entende que ela data da república, uma vez que, na realeza, o processo se desenrolava apenas diante do rei, que julgava as divergências entre particulares, as lides (lites);
4ª. fase da justiça púbica que compreendeu oprocesso extraordinário, onde a instância se desenrolava inteiramente diante de um juiz que era o funcionário do Estado, como sucede em nossos dias.
Permaneceram, ainda, no direito romano das épocas posteriores, vários resquícios da possibilidade de defesa dos direitos com as próprias mãos, como, por exemplo, a legítima defesa (fundada no princípio uim ui repellere licet = é lícito repelir...
tracking img