Impactos do ifric 13 no reconhecimento e mensuração dos programas de fidelidade de empresas emissoras de cartões de crédito no brasil

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 17 (4066 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Impactos Do IFRIC 13 no reconhecimento e mensuração dos programas de fidelidade de empresas emissoras de cartões de crédito no brasil



SÃO PAULO
2012

Impactos Do IFRIC 13 no reconhecimento e mensuração dos programas de fidelidade de empresas emissoras de cartões de crédito no brasil

Artigo apresentado a Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis Atuariais e Financeiras, como requisitopara conclusão do curso MBA em Normas Internacionais de Contabilidade.
Orientador: Prof.ª Nadia W.H. Vianna

SÃO PAULO
2012
Resumo

Em 1º de julho de 2008, entraram em vigor novas exigências para a divulgação contábil pelas empresas, referentes aos seus Programas de Fidelidade. O documento denominado “Interpretation 13 Customer Loyalty Programmes”, divulgado em junho de 2007 pela“International Financial Reporting Interpretations Committee (IFRIC)”, explica as mudanças e determina que as empresas divulguem informações sobre os seus Programas de Fidelidade de uma forma padrão, a valor justo e diferindo receita, portanto o IFRIC 13 pode impactar na divulgação de resultados da empresa.
Como as entidades emissoras de cartão de crédito estão mensurando e reconhecendo em suasdemonstrações financeiras os programas de fidelidades? Será que realmente houve impacto no resultado? Este trabalho tem por objetivo analisar a aplicação desta norma, com exemplos simplificados, para verificação do impacto e ao final deste estudo poderemos concluir se a norma contribuiu para padronização da forma de contabilização, porém suas alterações de mensuração e reconhecimento, podem não ter surtidoefeito no resultado, pois através de variáveis mercadológicas, essas alterações podem ter sido absorvidas, causando apenas alterações de alguns indicadores.

1) Introdução
Uma prática muito comum em diversos setores é a utilização de programas de fidelidade, como por exemplo: em companhias aéreas, supermercados e restaurantes. Tais programas podem assumir as mais diversas formas, onde, demaneira geral, quando a empresa efetua vendas ela fornece “pontos” aos consumidores que podem futuramente ser resgatados de diversas maneiras, como compra com desconto ou gratuita. Os programas de fidelidade podem ser operados pela própria empresa ou por um terceiro. O tratamento destas operações é fornecido pelo IAS 18 no IFRIC 13, sendo no Brasil incorporado ao CPC 30 (Comitê de PronunciamentosContábeis) – Receitas. Assim, o valor da receita deve ser dividido em dois componentes, a receita propriamente dita e um componente reconhecido como passivo pelo “valor justo”, cujo conceito será descrito na fundamentação teórica, dos créditos.
O objetivo desse artigo é tratar a alteração na forma de mensuração e contabilização da provisão dos programas, a forma de reconhecimento e o provável impactonas demonstrações financeiras das empresas emissoras de cartão de crédito no Brasil.
Apesar da reduzida bibliografia sobre o assunto, será utilizada a pesquisa bibliográfica, pretendendo-se ampliar o conhecimento sobre análise dos programas de fidelidade na ótica da contabilização, mensuração e reconhecimento nos balanços das empresas emissoras de cartões de crédito brasileiras. O artigo estábaseado em conceitos técnicos e práticos para obter uma análise focada no impacto da aplicação da nova regra imposta pelo IFRS - International Financial Reporting Standards no IFRIC13.
Para a pesquisa bibliográfica será desenvolvido um estudo utilizando como base publicações em livros, revistas, artigos, internet e outros materiais acessíveis ao público em geral.
Não foi possível a pesquisadocumental, através dos balanços das entidades emissoras de cartões de crédito, pois não há disclosure (divulgação) suficiente, no caso analisado da Itaucard, a publicação é feita para atender as regras do Banco Central e do Conselho Monetário Nacional, sem a aplicação do IFRS, porém, quando há a consolidação no balanço do banco controlador (Banco Itaú Unibanco S/A), as regras impostas pelo IFRS...
tracking img