Igreja de esmirna

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1071 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 1 de dezembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
IGREJA DE ESMIRNA – Igreja Perseguida (v. 8-11)

INTRODUÇÃO: A cidade de Esmirna, lat. Mirra; hoje chamada de Izmir, e é um movimentado porto na costa oeste sendo a principal cidade da Turquia com a população de aproximadamente 630 000 habitantes.Uma linda cidade do Mediterrâneo na costa ocidental da Ásia Menor, ficava situada a aproximadamente 40 a 60 quilômetros ao norte de Éfeso. Seuapelido era “Porto da Ásia” porque tinha uma excelente baía no mar Egeu. Sendo agora, como era nos tempos do Novo Testamento, um centro de comércio dos países orientais. A igreja dessa cidade lutava com as duas forças hostis: uma população judaica que se opunha fortemente ao cristianismo e uma população gentia, que era leal a Roma e apoiava o culto ao imperador. Foi em Esmirna que o idoso BispoPolicarpus (Policarpo), um homem de 86 anos, por volta de 156 d.C. se recusou a negar Cristo e acabou sendo Martirizado.
POLICARPO: Foi bispo de Esmirna, de 69 A 156 d.C. Aprendeu o evangelho diretamente do apostolo João. A perseguição contra os cristãos estava no ápice; o procônsul romano o ameaçou de morte, a menos que ele negasse a sua fé em Cristo. O procônsul ordenou que ele adorasse a César:“Jura-te e te deixarei partir; blasfema somente contra Cristo”. Policarpo respondeu: “Tenho por oitenta e seis anos servido a Cristo e ele jamais me decepcionou. Como poderia então blasfemar contra meu Rei e Salvador?!” Quando prepararam para queimá-lo, os judeus que lá haviam sugeriram que o queimasse na fogueira e os mesmos naquele dia quebraram o sábado andando alguns quilômetros e trabalhando paracortar lenha trouxeram-nas e puseram o ancião de mãos atadas na fogueira. Policarpo pediu que não lhe amarrassem pois dali não sairia, assim o fizeram respeitando o seu ultimo pedido. Ele disse: “Não temo o fogo que queima apenas por um momento, mas vós mesmos ouvistes daquele fogo que queima para todo o sempre.” Atearam fogo e por alguns minutos após pode-se ver no olhar de todos o espanto. Comoocorreu com Sadraque, Mesaque e Abd-Nego, o fogo não o queimou, daí então atendendo a ordem do imperador o soldado golpeou-o com uma espada e Policarpo glorificou ao Senhor como havia recebido a revelação divina, sendo um mártir!

I – PREFÁCIO (v.8)
1. “...o Primeiro e o Último
Tomado do capítulo 1.17,18 Jesus é o Primeiro e o Último. Ele é o primeiro, pois por meio dEle todas as coisasforam criadas, e Ele estava antes de todas as coisas com Deus e era Ele mesmo Deus. Ele é o último, pois todas as coisas foram feitas para Ele, e Ele será juiz de tudo. Esse certamente é o título de Deus, de eternidade a eternidade.
2. Ele “...foi morto e reviveu!”
Ele foi morto, e morreu por nossos pecados; Ele está vivo, e ressuscitou para a nossa justificação, e Ele vive para sempre parafazer intercessão por nós. “Se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de seu Filho, muito mais seremos salvos pela sua vida” (Rm 5.10). Relembramos a sua morte a cada Ceia do Senhor, e sua ressurreição e vida, a cada domingo.

II – ESMIRNA É ELOGIADA (v.9)
1. “ Conheço a tua tribulação...”
Os cristãos de Esmirna estavam sofrendo grande perseguição, pois a cidade era ocentro de adoração a Zeus e das deusas Cibele e Sipeline.
2. “...a tua pobreza, (mas, tu és rico)...”
A perseguição atingia seus empregos, e os levava à pobreza. Todavia, eles eram “ricos” na aprovação e bênçãos de Deus. Ricos em fé, em boas obras, em privilégios, vínculos, atos de generosidade e de esperança.
3. “...a blasfêmia dos que se dizem judeus e não são , sendo, antes, dasinagoga de Satanás”.
Eram também perseguidos pelos judeus que rejeitavam a Cristo, e clamavam ser os verdadeiros adoradores de Deus, enquanto que, na realidade,estavam sendo controlados por Satanás (“são sinagoga de Satanás”). À semelhança dos judeus que procuravam matar a Jesus, estes eram filhos do diabo (JO 8.34,41,44). Na verdade desonravam a Deus pela forma como tratavam os crentes (Rm 3. 23...
tracking img