Humanismo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (635 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de julho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
O Humanismo marca a história por ter sido o período em que o homem libertou-se dos ensinamentos da igreja e passou acreditar em si mesmo, na sua própria razão. Não que tenha deixado de acreditar emDeus, ele deixou os valores da igreja em segundo plano, e a sua razão se tornou soberana.
O Humanismo marcou a transição entre o Trovadorismo e o Classicismo moderno. Ele ocorreu entre os séculos XIVe XV quando a Europa passava por profundas mudanças, o ser humano deixou de lado o poder centralizador da igreja e abriu brechas para o Antropocentrismo.
Foi nessa época que surgiu a classe socialchamada Burguesia, com isso muitos homens que moravam no campo se mudaram para as grandes cidades, como consequência, o regime feudal de servidão desapareceu.
Foram criadas novas leis e o poder parounas mãos daqueles que, apesar de não serem nobres, eram ricos.
O “status” econômico passou a ser muito valorizado, muito mais do que o título de nobreza.
As Grandes Navegações trouxeram ao homemconfiança de sua capacidade e vontade de conhecer e descobrir várias coisas.
O Humanismo também apareceu no teatro, nas crônicas, novelas e nas poesias.

Na prosa historiográfica (crônicas) o grandenome foi Fernão Lopes

Fernão Lopes era considerado o cronista do rei e do povo. Sua nomeação como cronista-mor do reino em 1434 é considerada o marco inicial do Humanismo em Portugal.
Fernão tinha afunção de registrar os fatos e escreveu três crônicas: Crônica de El-Rei D. Fernando, Crônica de El-Rei D. João e Crônica de El-Rei D.Pedro I.

Poesia palaciana:

Eram composições coletivasproduzidas com a finalidade de ser apresentadas para a corte nos serões do Paço Real.
D. Afonso V era conhecido como “O Humanista” e produzia uma série de serões, concursos poéticos, audição de música erecitação de poesia.
Essas poesias se diferenciavam das cantigas de trovadores porque nelas a música era separada da letra e o amor era menos idealizado, mais real.

Teatro de Gil Vicente:...
tracking img