Gastronomia portuguesa

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2982 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 3 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Gastronomia Portuguesa

No início do século XV, com o advento das descobertas marítimas e expansão do seu império ultramarino, os portugueses levaram para a Europa o coentro, a pimenta, o gengibre, o caril, o açafrão, a páprica, o arroz e o chá do Oriente, o café e os amendoins de África e o abacaxi, a pimenta, o tomate e a batata do Novo Mundo e muitos outros produtos exóticos completamentedesconhecidos até então.

A gastronomia portuguesa mostra influencias mediterrânicas (incluindo-se na chamada “dieta mediterrânea”) e também atlânticas por possuir uma vasta costa marítima rica em pescas. O pão, o vinho e o azeite constituem a base da gastronomia mediterrânea, além de diversos produtos hortifrutigranjeiros. A carne e as vísceras, principalmente de porco, compõem também um conjuntode pratos e petiscos regionais, onde sobressaem os presuntos e os embutidos.

O pão é, sem dúvida, um dos alimentos base da alimentação portuguesa. Existe em diversas formas ao longo do território português, não se limitando ao pão de trigo, de que o pão alentejano é talvez o mais representativo, existindo também a broa de milho, típica do Norte de Portugal, ainda que apreciada em todo o país,o pão de centeio (por exemplo, da Serra da Estrela), etc. O pão alentejano, geralmente de grandes dimensões (pão de quilo) e com miolo compacto, é pensado para durar mais do que um dia (algumas variedades são ainda mais apreciadas no dia seguinte à cozedura) e é utilizado em diversos pratos como as açordas e as migas à Alentejana.
O azeite é o alimento indicado para a dieta dos portugueses,principalmente utilizado como condimento nas sopas de legumes, nas migas à moda da beira (em que se misturam feijões, couve e pão de milho), no bacalhau assado, onde é acompanhado com bastante alho, etc. Mesmo na doçaria, o azeite também se faz presente, como em alguns bolos, principalmente alentejanos, mas também em diversas "broas de azeite". As batatas cozidas, servidas juntamente com diversospratos, como peixes grelhados, são geralmente regadas com azeite, vinagre, salsa e cebola picada.
Portugal orgulha-se especialmente dos seus vinhos que também apresentam uma variedade impressionante, consoante a região onde são produzidos. Os vinhos generosos, de alto teor alcoólico e sabor geralmente doce (mas nem sempre) incluem o inevitável vinho do Porto, o vinho da Madeira, o vinho de Carcavelos,o moscatel de Setúbal, entre outras variedades, como os vinhos “abafados”, em que o mosto não chega a fermentar porque é diluído em aguardente.
As regiões produtoras de vinho mais afamadas são, sem dúvida, o Alentejo e o Douro, ainda que mereçam referência outras regiões: Dão, Terras do Sado, Bucelas, etc.
Os produtos hortifrutigranjeiros são muito utilizados para diversos fins: saladas, sopasde legumes, cozidos, etc. São frequentes as sopas frias, como o gaspacho, no Alentejo, as “picadas” (pepino picado com água fria, sal, vinagre e azeite), além de diversas sopas de legumes. Estas costumam resultar da adição de legumes a uma base de puré mais ou menos espesso de batata, cenoura e, eventualmente, cebola.
O cozido à portuguesa, considerado por muitos como o prato nacional, é compostopor uma grande diversidade de ingredientes cozidos em água abundante – as receitas variam muito de local para local.
Alguns produtos e enchidos (embutidos) portugueses fazem parte de uma lista restrita que a Comissão Europeia atribuiu a menção de Denominação de Origem Protegida nomeadamente, para a zona de Estremoz e Borba, tais como, a Paia de Toucinho, o Chouriço de Carne, a Paia de Lombo, aMorcela,os Maranhos, o Chouriço grosso.
No Nordeste de Portugal, a criatividade popular permitiu a confecção de enchidos à base de pão e carne de galinha, denominadas alheiras. Foram criadas como forma de reacção por parte dos judeus portugueses no século XVI, ao dilema de não lhes ser permitido comer carne de porco por motivos religiosos e o imperativo de dar entender que se tinham convertido...
tracking img