Florestan fernandes

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 38 (9434 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 3 de dezembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
FLORESTAN, Fernandes. As “Trocinhas” do Bom Retiro: Contribuição ao Estudo Folclórico e Sociológico da Cultura e dos Grupos Infantis. In Pro-Posições. V. 15, n.1 (43) – jan./abr. 2004

Página 229


As “Trocinhas” do Bom Retiro [Nota: 1]


Contribuição ao Estudo Folclórico e Sociológico da Cultura e dos Grupos Infantis

Prefácio

O folclore, durante tanto tempo abandonado aosamadores, seus únicos estudiosos, tornou-se hoje uma ciência, que tem suas regras, seus métodos, e que exige de quem a estuda qualidades especiais. Ninguém mais fez, para transformar o folclore em ciência, que Mário de Andrade, Hoje, ergue-se uma plêiade de jovens pesquisadores, dos quais muito se pode esperar. Entre eles: Florestan Fernandes.
O domínio que ele aborda, no estudo que se segue,é um domínio bastante negligenciado, o do folclore infantil. E é preciso reconhecê-lo: há entre o mundo dos adultos e o das crianças como que um mar tenebroso, impedindo a comunicação. Que somos nós, para as crianças que brincam ao nosso redor, senão sombras? Elas nos cercam, chocam contra nós; respondem às nossas perguntas, num tom de condescendência, quando fingimos interessar-nos por suasatividades; mas sentese, perfeitamente, que, para elas, somos como os móveis da casa, parte do cosmos exterior, não pertencemos a seu mundo, que tem seus prazeres e seus sofrimentos. E nós, os adultos, vivemos também dentro de nossas próprias fronteiras, olhamos as crianças brincar, repreendemo-las quando fazem muito barulho, ou, se deixamos cair sobre seus divertimentos um olhar amigo, não é para elesque olhamos, mas, através deles, para as imagens nostálgicas de nossa infância desaparecida.

Página 230

Para poder estudar a criança, é preciso tornar-se criança. Quero com isso dizer que não basta. observar a criança, de fora, como também não basta prestar-se a seus brinquedos; é preciso penetrar, além do círculo mágico que dela nos separa, em suas preocupações, suas paixões, é precisoviver o brinquedo. E isso não é dado a toda a gente. O primeiro mérito do trabalho de Florestan Fernandes é que ele é o resultado de uma observação que começou por uma interpretação profunda; o autor fez parte da grande conjuração das crianças.
Na nota explicativa, que abre este trabalho do folclore infantil, podemos ler estas significativas linhas. "O presente estudo tem uma particularidade: éao mesmo tempo uma contribuição à sociologia e ao folclore." Florestan Fernandes se desculpa, pelo que eu lhe rendo, ao contrário, meus cumprimentos.
O folclore é uma cultura; ora, não se pode compreender a cultura, separando-a do grupo social que ela exprime. Estamos entre os que acham que a descrição pura e simples do material da pesquisa das fontes e das origens não são suficientes, porqueo folclore tem uma função e uma vida, ele representa um papel. Por conseguinte, querendo penetrá-la, em lugar de permanecer na crosta exterior das sobrevivências do passado, é preciso recolocá-lo num meio social. O folclore não é uma simples curiosidade ou um trabalho de erudição, é uma ciência do homem - não deve portanto esquecer o homem, ou melhor, neste caso, a criança que brinca.
É porisso que as duas partes deste trabalho, os grupos infantis e o folclore infantil no Bom Retiro, não devem ser consideradas como duas panes justapostas; elas formam uma unidade orgânica. É o estudo das "trocinhas", de sua linguagem, de seus ritos de expulsão ou de iniciação, de suas cerimônias, de suas estruturas, que explica os caracteres próprios do folclore, que vive nessas "trocinhas". Notar-se-ãopáginas muito sugestivas, em que Florestan Fernandes critica a teoria da imitação dos adultos pelas crianças, no brinquedo como "papai e mamãe" - ou ainda aquelas sobre o papel de assimilação dos imigrantes, das rodas e dos brinquedos que confirmam aliás as precedentes. Se a cultura infantil se fizesse sobretudo pela mãe preta ou pelos pais estrangeiros, a obra do sincretismo seria muito mais...
tracking img