Fichamento de "a caminho da idade média" de waldir freitas de oliveira

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2891 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
OLIVEIRA, Waldir Freitas – A Caminho da Idade Média: Cristianismo, Império Romano e a presença germânica no Ocidente. São Paulo: Brasiliense.

Precisamos entender, que no estudo de qualquer período, datas e fatos não são características positivistas, nem caprichos.

O cristianismo no Império do Oriente

Nestorianos, monofisistas e calcedônios

A igreja do oriente ainda não era forte,seguia muitas vezes a Igreja de Roma, “reconhecida como Sé primaz pelos primeiros Concílios Ecumênicos .” (10)]
Ao contrario do Oriente, o Ocidente sofria grandes impasses com a disputa entre as Igrejas de Constantinopla, Antióquia e Alexandria, ambas disputavam para ter mais prestígios. O Cristianismo teve dois ramos principais: “o catolicismo romano, fundamentado no credo de Nicéia, e oarianismo, considerado herético desde 325, professado, contudo, pela maior parte dos povos germanos, que a este se havia convertido, em meados do século IV, graças a ação missionária de Ulfila.” (11) No oriente porém, a religião estava muitas vezes submetidas as ordens de imperadores.
No ocidente, o poder ariano era forte que até se sobre saia em relação ao catolicismo, mas a Igreja foi forte, eresistiu, ainda que tivesse desvantagens. No cenário de brigas entre as Igrejas, surgiu no Oriente o nestorianismo. “Nestório, um dos mais fervorosos seguidores de Teodoro de Mopsuéstia, este por sua vez, discípulo do Diodoro, o fundador da escola exegética de Antioquia, havia se tornado, em 428, patriarca de Constantinopla. Defendendo a idéia da unidade plena do humano e do divino na pessoa de Cristo,não se afastava, de fato, dos preceitos do cristianismo.” (13) Foi Nestório o responsável por chamar Maria “Mãe de Cristo”, e não, como era antes, “Mãe de Deus”, isso serviu também de alvo para as Igrejas rivais o atacarem. Nestório foi atacado por Cirilo, patriarca da Igreja de Alexandria, que saiu vitorioso, Nestório perdeu seu cargo e foi mandado para o Egito, onde lá terminou seus dias, em seulugar, surgiu João de Antioquia, que se concílio com Cirilo, por mais que também quisesse que este fosse punido. Os seguidores de Nestório foram contra e continuaram pregando seu ideal por muito tempo, migraram para a Pérsia, e em pouco tempo chegaram a Índia e a China, onde atualmente existem Igrejas nestorianas. Mais tarde, a Igreja de Constantinopla saia vitoriosa sobre a de Alexandria, comFlaviano, apoiado pelo papa Leão I contra Eutiques, que acusava Flaviano de continuar seguindo ideais nestorianos. Porém, a vitória não durou muito, um ano depois, em 449, Flaviano foi condenado pelo Concílio de Éfeso.
Um dos concílios mais importantes realizados pela Igreja, foi o de 451, realizado por Marciano, chamado 4º Concílio Ecumênico da Igreja. Nessa ocasião várias normas foram criadas,assim como julgamentos, mas também foi criado um novo patriarcado, o de Jerusalém, que iria ser o novo concorrente de Alexandria, Antioquia e Constantinopla.
“Marcaria o Concílio de Calcedônia a posição definitiva da Igreja frente ao que haviam pregado Nestório e Eutiques a respeito da unidade ou duplicidade da natureza de Cristo. A afirmação ali aprovada da existência [de Cristo – era homem edivino, mas era um só] [...], era dirigida, de modo claro, a nestorianos e monofisistas, estes os seguidores dos ensinamentos de Eutiques, defensores intransigentes da predominância absoluta da natureza divina de Cristo sobre a natureza humana e que se iriam construir num dos mais fortes movimentos heréticos da historia do cristianismo.” (17) O monofisismo então tomou frente em Alexandria, e aligeraria graves conflitos, como a tomada da Sé da cidade em 454. e o que mais tarde geraria grande conflito entre (niceno-) calcedônios e monofisistas. “Continuaria, pois, o monofisismo, a existir no Oriente, mesmo depois de ter sido condenado e declarado herético pelo Concilio de Calcedônia, em 451; e, o que é importante, sempre com crescente aceitação, especialmente na Síria e no Egito, mas também...
tracking img