Experimento com seres humanos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1100 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA- CESUSC

Disciplina: Filosofia do Direito

Professor: Elton Fogaça

Acadêmica: Nicolle Ayres

Ética, dignidade e justiça nas pesquisas realizadas em seres humanos.

Ética em pesquisas realizadas com seres humanos.

A experimentação feita comseres humanos ao longo do tempo contribui para uma melhoria da qualidade de vida do homem e sua relação com o meio ambiente. Esses experimentos científicos têm como finalidade buscar uma resposta para determinada questão. Para se produzir um experimento, é necessário que o pesquisador tenha determinada competência para fazer perguntas que sejam de valor relevante para a massa de conhecimentos jáexistentes e conduzir de maneira específica o experimento. Na experimentação com seres humanos ainda é preciso que o pesquisador tenha competência para dispensar cuidados médicos ao paciente submetido à experimentação, que tenha sensibilidade para compreender as motivações dos pacientes e tenha respeito, sobretudo, aos valores da sociedade.
A questão da ética na pesquisaenvolvendo seres humanos preocupa os cientistas e as pessoas de uma maneira geral, e é nesse dilema que se baseia a discussão da ética em pesquisa: o respeito à dignidade da pessoa humana e a necessidade de experimentação para promover a saúde da população.
Três princípios envolvem a regulamentação da pesquisa médica: o respeito às pessoas, a beneficência e a justiça. Podemosmencionar o respeito às pessoas como na filosofia Kantiana, que formaliza o princípio de que o homem é um fim em si mesmo, não um meio. Todo ser humano tem direito à autodeterminação, isto é, o direito de agir com os próprios princípios e conclusões. A beneficência, reconhecida pelas religiões e contidas nos juramentos médicos, é um dos princípios éticos mais conhecidos. O princípio da nãomaleficência coloca que “em primeiro lugar, não causar dano”. O avanço de conhecimentos significa benefício para os futuros pacientes. Por outro lado, o princípio da justiça exige que a distribuição de danos e benefícios seja justa. Não há que se falar em justo quando alguns grupos arcam com todos os prejuízos e outros abrangem todas as vantagens.
O Código de Nuremberg, a Declaraçãode Helsinque e os Direitos Internacionais para Pesquisas Biomédicas Envolvendo Seres Humanos, não tem força de lei, mas influi diretamente nas pesquisas médicas em todo mundo. Por tal motivo, é necessário dar ampla informação sobre a regulamentação da Pesquisa em seres humanos. Não se pode utilizar do subdesenvolvimento como mera desculpa para erros e atitudes profissionais inadequadas.A pesquisa deve respeitar os valores culturais, sociais, morais, étnicos, religiosos e éticos, bem como os hábitos e costumes quando a pesquisa envolver trabalhos em comunidades, cuidando para que ocorra o retorno dos benefícios obtidos através dos conhecimentos adquiridos para as pessoas e comunidades onde a mesma foi realizada.
Quanto ao princípio dabeneficência, é bom enfatizar que o hábito de fazer o bem, é simplista diante da moderna experimentação com seres humanos. Na pesquisa médica existem prejuízos e benefícios que necessitam extremo cuidado ao serem avaliados, pois certos benefícios podem vir a justificar alguns prejuízos. Porém é necessário crer que muitas vezes é preciso assumir riscos para alcançar benefícios. A Comissão Nacional para aProteção de Seres Humanos define a beneficência como a obrigação de garantir o bem-estar do indivíduo e a obrigação de desenvolver informação para tornar mais fácil uma futura garantia.
As palavras risco e benefício não têm sentidos opostos. Por benefício se entende vantagem, ganho, proveito e a palavra risco envolve uma ideia de probabilidade. Podemos abordar essa ideia ao...
tracking img