Etica

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1609 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de setembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Cartaz Número 1 -

O escândalo da Parmalat
A Parmalat significava o exemplo de um sucesso impulsionado pela dinâmica da globalização liberal. Começando como uma pequena empresa familiar de distribuição de leite pasteurizado localizada nos arredores de Parma, na década de 60, ela se desenvolveu graças à habilidade de seu fundador, Calisto Tanzi, e aos generosos subsídios da União Européia.A partir de 1974 a Parmalat internacionalizou-se, instalando-se no Brasil e, depois, na Venezuela e no Equador. Multiplicou suas filiais e criou empresas intermediárias em todos os territórios que oferecessem facilidades fiscais (Ilha de Man, Holanda, Luxemburgo, Áustria e Malta) e, em seguida, nos paraísos fiscais (Ilhas Caiman, Ilhas Virgens britânicas, Antilhas holandesas...). Em 1990, colocouações na Bolsa de Valores, afirmando-se como o sétimo grupo privado da Itália e ocupando o primeiro lugar mundial no mercado de leite de longa conservação.
Este colosso empregava em torno de 37 mil funcionários em mais de 30 países e seu faturamento chegou, em 2002, a 7,6 bilhões de euros (cerca de 27 bilhões de reais), valor superior ao do Produto Nacional Bruto (PNB) de países como o Paraguai,a Bolívia, Angola ou o Senegal. Até o dia 11 de novembro de 2003. Nessa data, auditores em contabilidade questionaram um investimento de 500 milhões de euros (1,75 bilhão de reais) no fundo Epicurum, sediado nas Ilhas Caiman. Imediatamente, a agência Standard & Poors baixou o valor da cotação dos títulos Parmalat. As ações caem. Nesse mesmo momento, a Comissão de Operações da Bolsa solicitaesclarecimentos quanto à forma pela qual o grupo pretende reembolsar as dívidas com prazo até o final de 2003.
A preocupação toma conta de acionistas e detentores de ações. Com o objetivo de tranqüilizá-los, a direção da Parmalat anuncia, então, a existência de um fundo de 3,95 bilhões de euros (14 bilhões de reais), depositado numa agência do Bank of America nas Ilhas Caiman. E apresenta umdocumento, emitido por aquele banco norte-americano, comprovando a autenticidade dos títulos e da liquidez referentes ao valor divulgado. A jogada da direção da empresa é por tudo ou nada. Ou as pessoas se tranqüilizam, as ações sobem e os negócios progridem, ou permanece a desconfiança e existe o perigo do colapso.


Foi nesse instante decisivo, quando pensava que daria a volta por cima, que o gruporecebeu a estocada fatal. No dia 19 de dezembro, o Bank of America afirma que o documento divulgado pela Parmalat para provar a existência dos 3,95 bilhões de euros... era falso! Um documento em papel timbrado pouco confiável, grosseiramente falsificado com um scanner! As ações despencam.
Em poucos dias, não valem quase nada. Mais de 115 mil investidores e pequenos poupadores percebem ter sidoenganados e, alguns deles, arruinados. Começa o escândalo. Logo se iria saber que o endividamento da Parmalat chega a 11 bilhões de euros (38,5 bilhões de reais)! E que foi deliberadamente dissimulado, há vários anos, por meio de um sistema fraudulento com base em desvios contábeis, orçamentos falsos, documentos falsificados, lucros fictícios e complexas pirâmides de empresas offshore, umasvinculadas às outras de modo a tornar impossível detectar a origem do dinheiro e a análise das contas.
Por ser permanente, a fraude não era detectável, tanto assim que, na própria véspera do escândalo eclodir, o Deutsche Bank, por exemplo, adquiriu 5,1% do capital da Parmalat, enquanto analistas de mercado recomendavam veementemente (strong buy) a compra de títulos do grupo... Escritórios de auditoria,como o Grant Thornton e o Deloitte & Touche, assim como grandes bancos, como o Citigroup, são acusados de cumplicidade. E, uma vez mais, foi destacada a nocividade dos paraísos fiscais2 . O caso ganha dimensões planetárias. Após a falência da Enron, os partidários da globalização liberal afirmavam que aquilo significava o fim dos empresário-bandidos e das empresas-escroques. E que aquele caso...
tracking img