Etica para um jovem - resumo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1011 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Ética para um jovem, de Fernando Savater
Neste livro, Savater pretende explicar o que é a ética, porque esta é tão importante no nosso dia-a-dia e como ela condiciona muitas das nossas acções. Apesar de, no início, achar que este livro foi escrito para o seu filho, percebi, mais tarde, que estes foram os conhecimentos que Savater tentou passar a todos os jovens (“Neste livro estou a dar-te acomer uma parte do meu cérbero”) de modo a que possam “enfrentar” melhor as etapas que se avizinham nas suas vidas.
Acho que o objectivo deste livro nunca foi dar a definição de ética aos jovens, mas si fazê-los compreender o que é a ética e como ela pode ser uma base fundamental no seu futuro e, além disso fazê-los questionar sobre coisas muito importantes que, muitas vezes as damos por garantidase as ignora-mos, tal como o ar que respiramos, que, apesar de ser tão essencial à vida, nem nos apercebemos da sua existência.
Há imensos temas que são abordados no livro, que estão directamente ligados com a ética. Um dos meus preferidos foi a liberdade. Quando vistas bem as coisas, nós não somos livres de escolher o que acontece na nossa vida mas somos livres de fazermos o que quisermos com assituações que nos são apresentadas, dizer sim ou não, quero ou não quero é um direito que nos assiste a todos e é nisso que consiste a liberdade, tal como disse Savater “não somos livres de escolher o que nos acontece (…) mas somos livres de responder desta maneira ou daquela ao que nos acontece”; “Há coisas que dependem da minha vontade (e isto é ser livre), mas nem tudo depende da minhavontade (caso contrário seria omnipotente), porque no mundo há muitas outras vontades e muitas outras necessidade que eu não controlo a meu talente. (…) Mas, aspecto importante, nem por isso deixarei de ser livre…ainda que caia.”
Também achei bastante interessante a parte em que são abordados os nossos motivos (“razão que tens ou pelo menos julgas ter para fazer alguma coisa”). Estes podem ser ordens(algo que nos mandam fazer), costumes (algo que costumamos fazer), caprichos (impulsos) ou até funcionais (gestos que são um meio para atingir um fim, como por exemplo “descer as escadas para chegares à rua”). Mas há várias diferenças entres estes:
As ordens “vêm de fora” e criam em nós medo de represálias se não obedecemos, mas, nem por isso somos obrigados a acatar todas as ordens que nos sãodadas, pois somos livres de escolhermos (“Em circunstancias normais pode ser suficiente fazer o que nos mandam fazer, mas por vezes é mais prudente perguntarmo-nos até que ponto se torna aconselhável obedecer…”).
Os custumes, tal como as ordens, “vêm de fora” e representam a comodidade em seguir a rotina e o nosso interesse de em não contrair os outros, mas em certas situações pode não serrecomendável seguir o costume porque “o costume serve para o trivial, para a rotina de todas os dias” e estamos sempre a ser confrontadoscom situações anormais e diferentes.
Os caprichos são algo que “vêm de dentro”, as quais fazemos por vontade próprio sem que seja ordenado.
Eu acho que o capítulo mais impotante do livro é “Põe-te no seu lugar”, não apenas porque o autor o pediu que orelessem, mas porque, achei essencial compreender a nossa humanidade e como sem a ética “o que perdemos e desperdiçams será a humanidade da nossa vida”, temas principais neste capítulo.
Apesar de os seres humanos, terem coisas em comum, as suas opiniões podem divergir, tal como os seus atos. Mas não é por um humano ter atitudes que achamos “menos corretas” que ele deixa. Muitas vezes, essas atitudes“menos corretas” têm a ver com a infelicidade desses seres humanos (“Aqueles que colabora na infelicidade alheia ou nada faz para a remediar … trabalha a favor da sua própria infelicidade.”). Todos os humanos precisam de amor e respeito por parte de outros humanos, mas esse amor e respeito não pode ser forçado, pois tem muito mais valor a cumplicidade e o afeto de seres livres.
Um grande exemplo...
tracking img