Estrategia de empresas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1774 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 10 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Matriz de tarefa individual*

Trabalho: Inovar para vencer
Título: Cirque du Soleil – o picadeiro bem sucedido

Disciplina: Estratégia de Empresas
Introdução

A inovação pode ser considerada a chave para êxito de uma empresa. Relatos de sucesso e fracasso estão disponíveis para servirem de exemplo para a elaboração de um plano de negócios organizado e bem sucedido. É consideravelmentemais fácil detectar problemas depois que eles ocorrem, como aconteceu com o agora chamado “efeito Kodak”, que teve como agente causador a falta de inovação, ou ainda pior, a rejeição da evolução que foi apresentada. No contexto do fracasso desta empresa foram ignorados se não todos, muitos dos tópicos que serão abordados. As empresas fracassam se não inovam em produtos, processos e estratégias.Para não ter como exemplo uma experiência mal sucedida, o referencial deste trabalho será o Cirque du Solei, mundialmente conhecido e um êxito incontestável. Por isso serão discutidas aqui estratégias de inovação tendo como referencia esta empresa.

Cinco forças competitivas

As Cinco Forças de Porter mostram o que as empresas devem levar em consideração para uma estratégia competitiva. Os cincotópicos explorados por Michael Porter podem, e devem, serem transportados da teoria administrativa para a prática empresarial. O elo entre a fundamentação teórica pregada por Porter e o sucesso da prática é visto com clareza na trajetória do Cirque du Soleil.
Para fins organizacionais, separar-se-á cada ponto teórico das Cinco Forças para relacioná-los com a trajetória da empresa supracitada.1. A ameaça de novos entrantes: neste tópico explora-se o grau de competitividade do mercado ou até que ponto as empresas podem se inserir no mesmo nicho de mercado e competir por clientes. A entrada de novos concorrentes tem efeito imediato, diminuindo a procura disponível para os concorrentes instalados e consequentemente aumentando o nível de rivalidade (BICHO; BAPTISTA, 2006
1.1 Impedindo aentrada de novos concorrentes: a concorrência é, sem dúvida, uma ferramenta importantíssima de estímulo da qualidade e controle de preço no mercado. Quanto mais concorrentes, maior será a disputa por clientes já que mais opções são dadas aos consumidores. Para manter-se em evidência e não perder clientes, as empresas devem fazer com que seus produtos ou serviços sejam melhores do que aquelesofertados por outras empresas. Por melhores entende-se que os produtos tenham um preço condizente com o público alvo, sejam de fácil utilização e que crie vínculos sólidos com a empresa prestadora do serviço. No caso do Cirque du Solei este quesito é levado às últimas consequências. A entrada de novos concorrentes é praticamente nula, uma vez que o contexto no qual ele está inserido é muito fechando,especialmente quando se leva em consideração o estilo de apresentação oferecida pelo Cirque du Soleil. Para um novo concorrente se aventurar a entrar neste seleto grupo ele deve apresentar o mesmo nível de qualidade, inovação e relacionamento com público e patrocinadores que o Cirque du Soleil tem. Isto demandaria além de custos elevadíssimos, um enorme know-how do ramo. Podemos exemplificar ummomento em que no Bradesco houve a ameaça dos novos entrantes, quando ocorreu fusão entre bancos, fortalecendo a concorrência, forçando a adaptação para manter clientes o Bradesco aumentou o numero de agências e intensificou o foco no atendimento.

2. A ameaça de produtos ou serviços substitutos: aqui há de se levar em conta futuras necessidades, jamais pode-se ignorar quais serão as exigênciasfuturas de seus clientes e possíveis clientes. Ao se antecipar as vontades do público alvo, diminui-se o perigo de ser ameaçado pelos produtos que entrarão no mercado. Esta estratégia exige maior atenção em relação ao setor no qual a empresa está inserida, pois se não houver esta preocupação, os produtos substitutos logo entram em cena e apropriam-se do mercado (COSTA, 2007).
2.1 Tornando-se...
tracking img