Dor antropologia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 28 (6898 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
UFCG – UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE
CURSO DE PSICOLOGIA
CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE (CCBS)
KAMILA GADELHA FARIAS
















RELAÇÃO ENTRE DOR, CORPO E CULTURA


























CAMPINA GRANDE – PB
2012

KAMILA GADELHA FARIAS












RELAÇÃO ENTRE DOR, CORPO E CULTURA



Trabalho apresentadoUniversidade Federal de Campina Grande
como requisito pessoal para a obtenção da conclusão de disciplina
de Sociologia da Saúde sob orientação do Prof. Dr. Eduardo Gusmão.



























CAMPINA GRANDE – PB
2012



Sumário


1. Dor, corpo e cultura


2. Conceitos


3. Corpo e cultura


4. Dor e cultura


5. Particularidades dolorosas6. Diferença entre dor e sofrimento e a relação destes com a religião


7. Contexto histórico


8. Dores


8.1 Extremos dolorosos


8.2 Automutilação


8.3 Dor x prazer


8.4 A literatura


8.5 Ritos importantes


8.6 Poder sentido na pele


8.7 Estupro e violência contra as mulheres


9. Conclusão


10. Referências bibliográficas







Dor, corpo ecultura.

São três conceitos interdependentes, para haver uma dor é necessário um corpo e uma cultura para interpretar, curar e dar sentido àquela dor, assim como a sua percepção, esta geralmente associada a uma doença, suas causas e consequências e recordações, um sacrifício, um rito de passagem; provocada ou não, a dor, física ou mental, o que seria o sofrimento, causado por diferentescondições, como a sentimental, familiar, na vida que envolve uma pessoa. Ela pode ser também pode ser tratada como um desequilíbrio como a doença.
Atualmente, nas sociedades urbanas, a dor é relacionada a uma doença como um sintoma ou a uma síndrome e consequentemente a medicamentos, e essa dor tem que ser aniquilada o mais rápido possível para que o indivíduo retorne a suas atividades habituais, como otrabalho. Uma propaganda de analgésico elucida isso: “Volte ao normal, seja ele qual for”. Se o remédio não resolver, procura-se a ajuda de um médico, e não de um curandeiro, exclusivamente, como antes ocorria, somente quando a medicina não apresenta resultados recorre-se a práticas religiosas para buscar soluções. Com o avanço da medicina, o médico é estritamente importante nos cuidados dapopulação e um profissional confiável para diagnosticar e tentar resolver esses problemas; esse avanço só foi possível com a dessacralização do corpo. Estão surgindo cada vez mais estudos sobre a dor, existe até a Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor, que pode demonstrar a importância que esse assunto está tomando na nossa sociedade.
O corpo e suas sensações são subjetivas, mas as interpretaçõesdessas sensações e também da dor são coletivas e é preciso da análise de outros para tratá-la ou curá-la, assim como o comportamento perante outras pessoas, mesmo com essa situação delicada e a compaixão das outras pessoas com o que sente a dor, e a tentativa de compreensão do sentimento do outro.
Conceitos
Primariamente, antes de discutir e relacionar os conceitos e seus aspectos relacionados, éimportante deixar claro os significado de cada palavra e onde elas se ligam. O dicionário é propício para isso, porque define as palavras por si só de forma clara.
Segundo o Minidicionário Aurélio, a dor é uma sensação de sofrimento, decorrente de uma lesão e percebida por formações nervosas especializadas ou mágoa, pesar. Além disso, é conceituada pela Associação Internacional para o Estudo daDor (IASP) como uma "experiência sensitiva e emocional desagradável decorrente ou descrita em termos de lesões teciduais reais ou potenciais". A segunda definição abrange o caráter subjetivo de quem sofre.
Já o corpo pode ser:
A substância física de cada homem ou animal 2. Um cadáver. 3. A parte do organismo humano e animal formada pelo tórax e abdome. 4. A parte central ou principal...
tracking img