Domingos antonio raiol e sua cabanagem

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2034 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
A PESSOA DE DOMINGOS ANTONIO RAIOL E A SUA CABANAGEM
A obra “Motins Políticos”, escrita pelo barão de Guajará, paraense Domingos Antonio Raiol, entre 1865 e 1890. Nascido em Vigia no Grão-Pará, ainda criança viveu a Cabanagem e se tornou órfão. Em Pernambuco se formou Bacharel na área de Ciências Jurídicas e Sociais em 1854, pela Faculdade de Direito de Recife.
Exerceu a advocacia em Belém noescritório de Bernardo de Souza Franco, o primeiro presidente da província do Pará nomeado após a contenção dos cabanos em 1839, onde tornou-se uma espécie de protegido, também lhe rendeu frutos em sua posterior carreira política e intelectual.
Monarquista convicto, Raiol teve uma intensa vida política que extrapolou os limites das províncias do norte do Brasil. Por indicação imperial, foipresidente das províncias de Alagoas em 1882, Ceará em 1882 e São Paulo em 1883.
Foi promotor público nomeado para a capital em 1856, procurador dos feitos da Fazenda Nacional no Pará. Ao longo de toda sua trajetória política e profissional Raiol nunca deixou de escrever obras históricas, sendo que sua maior foi Motins Políticos ocorrido na província paraense entre os anos de 1820 e 1840. No ano de1883, em razão de seus serviços (políticos e intelectuais) a favor do Império, foi agraciado com o título nobiliárquico de Barão de Guajará.
Em sua obra, Raiol analisa o movimento da Cabanagem. Sobre Três enfoques: a compreensão do sentido conferido pelo autor às revoltas regenciais, entendidas sob o significado datado de motins; a abrangência temática de Motins Políticos, desvinculando-se suanarrativa do padrão de escrita factual predominante no século XIX; e por fim, o recurso ao nativismo como elemento fundamental do discurso, na medida em que reforçou o sentido de construção da identidade regional amazônica. Face à natureza deste texto, limitei-me a tratar da primeira questão.
De tudo que já se produziu acerca da Cabanagem, Motins Políticos é a mais antiga e até hoje a referênciahistoriográfica mais importante sobre a revolta. Se não houve iniciativa por parte dos historiadores do Rio de Janeiro, ligados ao então recém-criado IHGB, e que somente deram algumas pinceladas gerais neste tema, ao inseri-lo em seus compêndios gerais de História Pátria, coube a Domingos Antonio Raiol a tarefa de elaborar a primeira grande narrativa sobre o movimento A publicação de sua obrarepresentou uma ruptura definitiva na produção regional sobre o tema, que ainda era incipiente, estabelecendo-se como marco fundador da historiografia cabana. Alguns fatores contribuíram para esta empreitada: primeiro, por ser Raiol conterrâneo dos cabanos; segundo, pelo fato de que seu pai fora assassinado pelos rebeldes em 1835, quando contava então com cinco anos de idade; e finalmente, com vistas aoingresso no IHGB, viu-se no dever de contribuir, no âmbito da historiografia regional, para a consolidação desta história, nos moldes da concepção de construção da identidade nacional como vinha sendo elaborada pelos membros daquele instituto.
Os Motins Políticos abordados por Raiol compreendem, de fato, três períodos da história do Pará durante o Brasil Império, os quais foram retratados em cincotomos. O primeiro, lançado em 1865, refere-se aos episódios que se sucederam com a convocação das Cortes em Portugal, no ano de 1821, passando pelo processo de reconhecimento da Independência na Província do Grão-Pará, até o ano de 1823.
No segundo tomo, de 1868, abrange os movimentos que ocorreram durante o reinado de D. Pedro I indo até o momento de sua abdicação; no terceiro e quarto tomos,publicados em 1883 e 1884, dedica-se à narração dos conflitos ocorridos no Pará após a instalação do governo das Regências, até o ano de 1834; no quinto e último tomo, trata exclusivamente da Cabanagem, cobrindo os anos de 1835 a 1840. À exceção do episódio ocorrido em 1824, quando foram mortas 256 pessoas entre povo e tropa, por asfixia dentro do brigue Palhaço, no encerramento dos sangrentos...
tracking img