Democracia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 53 (13011 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Os movimentos sociais e a construção da democracia no Brasil: Tendências recentes
Evelina Dagnino UNICAMP − São Paulo − Brazil

Este trabalho tem como objetivo analisar os principais traços da trajetória recente dos movimentos sociais e a sua contribuição para a construção e o aprofundamento da democracia no Brasil. Durante a transição do regime autoritário para um Estado de Direito, umprocesso longo e controlado pelas elites que se inicia na metade dos anos 70, um amplo leque de movimentos sociais, que incluíram desde organizações de direitos humanos, movimentos urbanos que lutavam por serviços públicos, até Comunidades Eclesiais de Base ligadas à Igreja Católica, movimentos de mulheres, de negros, etc, contribuíram para que o processo de liberalização política ‘lento, gradual eseguro’ pudesse avançar para além dos limites imaginados pelo regime militar e seus aliados. Esses movimentos, articulados à oposição política à ditadura, ocuparam de forma criativa o escasso espaço político que restou depois que os militares eliminaram ou restringiram duramente os canais de participação e representação existentes. Além disso, foram capazes de criar novos espaços públicos onde osexcluídos social, política e culturalmente pudessem reconstruir suas identidades, necessidades, interesses, e desafiar o autoritarismo, na política e na sociedade. Durante esse período, os movimentos sociais foram largamente saudados como formas ‘heróicas’ de ‘resistência’ à ditadura. Para alguns analistas progressistas, sua atuação anunciava ‘transformações sociais’ radicais.1 Mesmo análises maisconvencionais da política de transição viam a ‘ressurreição da sociedade civil’2 em geral, e os movimentos sociais em particular, como forças importantes na resistência e erosão do regime autoritánio e na ‘reconstrução do espaço público’.3 Entretanto, a partir do retorno ao domínio civil em 1985, o papel real ou potencial dos movimentos sociais no alargamento e aprofundamento da democracia no Brasile em outros países da América Latina tem sido largamente ignorado ou minimizado pelos principais analistas da transição. Na verdade, uma relativa desmobilização da sociedade civil no período póstransição é frequentemente apresentada como inevitável: 75

JILAS

~ Journal of Iberian and Latin American Studies, 7:1, July 2001

A onda [de mobilização] rebenta, mais cedo ou mais tarde,dependendo do caso. Uma certa normalidade é então reafirmada, na medida em que alguns indivíduos e grupos se despolitizam outra vez, tendo esgotado seus recursos ou se desiludido, e outros se desradicalizam, reconhecendo que as suas esperanças maiores não serão realizadas. Outros, ainda, se cansam da mobilização constante e da invasão que ela representa nas suas vidas privadas . . . e, mais tarde, retornama alguma forma de cidadania relativamente despolitizada.4

Mais ainda, um certo grau de desmobilização e uma moderação do conflito político são considerados por alguns não apenas inevitáveis mas desejáveis:
Nada é mais destrutivo para a democracia do que as confrontações frequentes nas ruas, no parlamento, na administração do estado e em outros locais . . . O fim da repressão autoritária e oretorno às liberdades democráticas de organização, fazer abaixo-assinados, manifestar-se, não deve levar à desordem e à violência generalizadas.5

Embora a mobilização excessiva seja considerada desestabilizadora da democracia, outros analistas insistem que uma sociedade civil ‘leal’ é essencial para a consolidação democrática:
Assim como a democracia requer um Estado eficiente mas limitado, elatambém requer uma sociedade civil pluralista, autonomamente organizada, para controlar o poder do Estado e dar expressão democrática aos interesses populares.6

Entretanto, a maioria das análises mais conhecidas conclui que os movimentos sociais e associações cívicas desempenham, na melhor das hipóteses, um papel secundário na democratização. Essa ênfase na ‘engenharia institucional’ como a...
tracking img