Cp1 trabalho dr2

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1899 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 10 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Trabalho feito..DR2 Cp1

asfgihuvsjfdoghsknfmoviserdjngmvfeorsjgnveromgler
idhgviekndsgkjvwbeudifdkweterfd











Guia de Trabalho 2


O QUE SE ENTENDE POR LIBERDADE?



O conceito de liberdade é um conceito complexo e entendido de maneiras diferentes. De facto, há pensadores que defendem um conceito absoluto ou metafísico de liberdade; outros afirmam a necessidade daliberdade, mas considerando que a liberdade humana é sempre uma liberdade finita e condicionada; outros, ainda, negam a existência da liberdade humana, concebendo-a como uma ilusão acerca das nossas possibilidades reais. Estes pensadores são chamados deterministas, pois são de opinião que tudo o que acontece tem uma razão de ser e só julgamos que temos liberdade de escolha por não sabermos o que emnós actua. Assim sendo, cada ser humano seria simplesmente uma espécie de marioneta, não tendo qualquer margem de escolha. A sua conduta seria uma consequência de forças externas ou interiores, físicas ou psicológicas, que a determinam necessariamente sem lhe deixar qualquer possibilidade de opção.

É neste contexto que se situam aqueles que acreditam que existe um destino ou um desígnio divinoque tece a trama da nossa vida, fazendo com que as nossas escolhas sejam apenas aparentes.

Todavia toda a análise do conceito da acção humana contraria este determinismo e afirma a possibilidade e a realidade da liberdade, desde logo atestada pela nossa consciência, a qual apreende e experiencia a sua evidência de modo imediato. Efectivamente, todos já sentimos a experiência da liberdade etomamos consciência que os obstáculos que se lhe opõem não a anulam.

A nossa própria natureza biológica exige a liberdade, pois, não nos pré-programou para reagir de uma maneira única aos estímulos. Nascendo isento desta programação, como que inacabado, e com a capacidade de criar/criar-se, o ser humano assume um estatuto particular em relação às coisas e aos outros seres vivos, devidoprecisamente a esta indeterminação.







A liberdade humana, porém, não é uma liberdade absoluta, um poder agir independentemente de coacções exteriores e de determinações e influências exteriores ou interiores, ou seja, um fazer o que lhe apetece ou uma omnipotência. É, antes, uma liberdade situada e condicionada, dependendo das facilidades ou das dificuldades que as circunstâncias lhe impõem.Efectivamente, o ser humano não pode realizar tudo aquilo que deseja. A sua liberdade, enquanto capacidade de autodeterminação, é condicionada por factores físico-biológicos, socioculturais e pessoais. As escolhas que vamos realizando ao longo da vida condicionam a nossa personalidade e determinam a opção por um determinado projecto pessoal de vida, a realizar justamente através da nossa acção.Vivemos inseridos numa sociedade cujas normas e padrões comportamentais também impõem limites à nossa possibilidade de opção. Além destes limites legais, há ainda que ter em conta os limites que impomos a nós mesmos (os limites morais) e os que decorrem da nossa finitude temporal e da nossa imperfeição (limites absolutos). Porém, estes limites não anulam a liberdade. São antes um conjunto deobstáculos que, desafiando a criatividade humana, levam à sua constante superação.

Organograma

|Liberdade |
|Condicionantes |Limites|
|Físico-biológicas |Socioculturais |Pessoais |Impostos pela sociedade |Auto-impostos |Absolutos |
| | | |(legais) |(morais) |(impostos |
| | | |...
tracking img