Contabilidade

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1522 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 15 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
CCSA – CIÊNCIAS CONTÁBEIS
DISCIPLINA: História do Pensamento Contábil (HPC)
PROFESSORA: Victoria Puntriano TURNO: Manhã
GRUPO: MATRÍCULA:
- Camila Winny Gomes dos Santos 11113787
- Iara Carneiro Andrade11113772
- José Jefferson da Conceição 11113770
- Raíssa Fernandes de Carvalho 11113767
- Vanessa Conceição Pastorelli 11113799













ÍNDICE


1-Introdução
2-Desenvolvimento
3- Conclusão
4-Bibliografia e Sites














































INTRODUÇÃO

Com o amadurecimento da humanidade a partir do século XVII, com René Descartes, e o positivismo no século XIX, de Auguste Comte, fundamentou a Contabilidade e outras ciências, alicerçando o conhecimento específico, distinto doempírico.
Embora existissem várias escolas do pensamento contábil, nem todas trouxeram avanços na essência do estudo da Ciência Contábil. Motivados pela ansiedade de se encontrar o campo e o objetivo de estudos da Ciência Contábil, os pesquisadores da época evidenciaram o surgimento de nova corrente que enunciava existirem os sistemas de ciências que cuidavam de fenômenos ocorridos nesse mundoparticular, o que inspirou o Aziendalismo.
A Moderna Escola Italiana ou Economia Aziendal surgiu em 1922 na Itália, iniciando com Leonardo Fibonacci e consolidou-se com Ginno Zappa, resistindo até os dias atuais, mas não com tanta influência igual ao século XIX, onde foi seu apogeu.
Os aziendalistas se preocupavam em estudar o conjunto de ciências que tratavam da azienda como campode aplicação. Compunha-se da Gestão, da Organização e da Contabilidade. Também, preocupavam-se em saber interpretar os acontecimentos da vida da entidade e demonstrar a formação do resultado.














DESENVOLVIMENTO

O Aziendalismo, antes de se desenvolver como grande escola de pensamento italiano, teve suas origens com pesquisadores de outras partes do mundo: daFrança, Courcelle-Seneuil; da Rússia, Leo Gomberg; da Suíça, Johann Friedrich Schar; e da Alemanha H. Nicklisch e Rudolf Dietrich.
Courcelle acenou para um complexo entendimento de toda a empresa como objeto comum científico, que anteriormente já era preconizado por Cerboni e sustentado por Rossi, quando admitiam um raciocínio de unidade de funções dentro da azienda.
Foi Gomberg oprimeiro a despertar para uma economia aziendal, que mais tarde se tornaria, na Itália, a corrente aziendalista. Gomberg tomou como objeto de estudos a riqueza impessoal ou administrativa, deu foco à economia e denominou a Contabilidade como Economologia, tendo como função estudar todos os fatos da gestão patrimonial.
Gomberg estabeleceu a relação de causa e efeito para os fenômenospatrimoniais, relacionando o efeito ao débito e a causa ao crédito. Enunciava também que o Ativo era o efeito do Passivo, que por sua estrutura era a causa.
Rudolf Dietrich acrescentou, em seus estudos do aziendalismo socialista, a visão de dinâmica patrimonial. Em sua visão idealista, entendia que os fatores homem, natureza e trabalho só poderiam estar organizados para atender o social, e que olucro deveria ser considerado como um fator patológico.
No início do século XX, a Moderna Escola Italiana ou Economia Aziendal surge com as idéias de Gino Zappa.
Esta escola criticava Cerboni (Escola Personalista) e Besta (Escola Controlista), pois estes dirigiram seus estudos ao campo das aziendas, acrescentando a organização, administração e o controle, à parte científica da...
tracking img