Clima organizacional

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2609 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Rev. latino-am. enfermagem - Ribeirão Preto - v. 6 - n. 1 - p. 11-14 - janeiro 1998

11

CLIMA ORGANIZACIONAL

Wilza Carla Spiri**

SPIRI, W.C. Estudo sobre a percepção do clima organizacional do centro cirúrgico de um hospital especializado. Rev.latino-am.enfermagem, Ribeirão Preto, v. 6, n. 1, p. 11-14, janeiro 1998.
O presente estudo tem o objetivo de identificar como o grupo defuncionários recém-admitidos no centro cirúrgico de um hospital especializado, percebe o clima organizacional existente, utilizando uma abordagem qualitativa. Como referencial teórico para interpretar o clima organizacional utilizamos os conceitos de CHIAVENATO, que define clima organizacional como meio interno de uma organização e que através de sua experienciação pelos participantes influencia ocomportamento dos mesmos, podendo ser favorável, desfavorável e neutro. Os discursos reiteram um clima organizacional favorável, considerando o referencial teórico adotado. UNITERMOS: clima organizacional, centro cirúrgico

1 - INTRODUÇÃO
A malformação congênita de lábio e palato, ocorre da quarta à décima semana de gestação, período em que se formam as estruturas labiais e palatinas. Éconsiderada a terceira malformação congênita mais incidente na população. Existe diferenças da incidência de acordo com o grupo étnico, incidindo mais na raça amarela (um para cada quinhentos nascimentos) e menos na raça negra (um para cada dois mil nascimentos). No Brasil essa incidência é de que a cada seiscentos e cinqüenta nascimentos, um apresente a fissura de lábio e ou palato. Não existe umaetiologia definida, caracterizando-se como um problema de causa multifatorial, que envolve um fator de hereditariedade associado a causas ambientais, como fatores nutricionais maternos, uso de drogas, radiações e estresse durante a embriogênese. O Hospital de Pesquisa e Reabilitação de Lesões Lábio-Palatais da Universidade de São Paulo, Campus Bauru, único da América Latina e Centro de Referência doMinistério da Saúde, tem a finalidade precípua de prestar assistência global ao portador de deformidades crânio-faciais, com ênfase nas fissuras lábio-palatais, independentemente de sua condição sócio-econômica, faixa etária, sexo, raça e credo; buscando sua reabilitação na sociedade.

Este processo é lento, envolve fases que consideram o crescimento e desenvolvimento do indivíduo que necessita doacompanhamento de uma equipe interdisciplinar que atua de forma a prestar atendimento abrangendo os aspectos físicos, estéticosfuncionais e psicossociais. Estima-se hoje em duzentos e oitenta mil os portadores de lesões lábio-palatais no país, sendo que em tratamento, nesse serviço, estão registrados cerca de vinte e seis mil, resultando na existência de uma demanda reprimida considerável. Por essesmotivos, fizeram-se necessárias ampliações e mudanças no atendimento para diminuir a demanda reprimida. Portanto, para concretizar o aumento de atendimento proposto, a partir da ampliação física e tecnológica, a instituição investiu em recursos humanos, nas diversas áreas, abrindo processo seletivo. Na enfermagem foram selecionadas três enfermeiras e dezoito auxiliares de enfermagem. Destas,foram destinadas 10 auxiliares de enfermagem para o Centro Cirúrgico, para que a demanda cirúrgica fosse aumentada. Visualizando o Centro Cirúrgico como sistema sócio-técnico-estruturado aberto, que recebe o ser humano que necessita da intervenção cirúrgica e visa devolvê-lo à sociedade com capacidade para viver de forma plena e sem ter sido colocado em situações de risco (JOUCLAS, 1987)3,preocupa-nos a capacitação dos recursos humanos

* Trabalho apresentado na sessão de Temas Livres do 5 SIBRACEn ** Enfermeira responsável pelo Centro Cirúrgico do HPRLLP-USP - Bauru. Mestranda do programa de Pós-Graduação EE-USP - Área de concentração: Administração dos Serviços de Enfermagem

Estudo sobre a percepção...

Rev. latino-am. enfermagem - Ribeirão Preto - v. 6 - n. 1 - p. 11-14 - janeiro...
tracking img