Banalidade do mal - hanna arendt

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 4 (949 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Banalidade do Mal
   O termo “banalidade do mal” foi consagrado por Hannah Arendt em seu livro Eichmann em Jerusalém publicado em 1963. Inspirado no julgamento de Adolf Eichmann em 1961 o qualArendt acompanhou em Jerusalém como correspondente do Jornal The New Yorker, foi uma obra que gerou grande controvérsia, principalmente entre a comunidade judaica, devido à extensão das questões moraislevantadas pela autora. Nesta obra, Hannah Arendt cunhou o termo banalidade do mal, provocando um debate em torno da condição humana, a personalidade do acusado e dos responsáveis pelo Holocausto, termoassociado ao extermínio do povo judeu no período nazista (1933-1945), e sinônimo de genocídio deliberado de seres humanos por outros seres humanos.

   Adolf Eichmann (1906/1962) foi um oficial daAlemanha Nazista e membro da SS (Schutzstaffel), um dos grandes responsáveis pela logística do extermínio de milhões de pessoas durante o holocausto com a chamada “Solução Final” (Endlösung),organizou a identificação e o transporte de pessoas para diferentes campos de concentração, sendo conhecido frequentemente como o “Executor Chefe” do Terceiro Reich. Com o fim da Segunda Guerra Mundial,dentre a captura pelas tropas norte americanas e fugas, Eichmann acabou por refugiar-se em 1950 na Argentina, onde, no dia 11 de maio de 1960 foi raptado por agentes secretos israelitas da Mossad (ServiçosSecretos Israelitas) e levado para Israel onde foi julgado em 1961 e condenado a morte, a qual foi culminada com seu enforcamento em junho de 1962.

   Hannah Arendt escreveu que o “mal banal”origina-se da incapacidade de pensar do individuo. Defende que o nazismo mostra que a capacidade de se fazer o mal, era banal; tratava-se de um homem banal, de atos banais. A maior parte dos indivíduospassaram a fazer o mal pela incapacidade de negar, contrariar ou desobedecer o Estado, tratava-se de ser humano sem questionar, para manter um status social.
 
   Quando Hannah Arendt forjou a...
tracking img