Arretche

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 90 (22286 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
EMERGÊNCIA E DESENVOLVIMENTO DO WELFARE STATE:
TEORIAS EXPLICATIVAS

Marta T. S. Arretche(1)(2)

Fenômeno do século XX, a provisão de serviços sociais,
cobrindo as mais variadas formas de risco da vida individual e
coletiva, tornou-se um direito assegurado pelo Estado a camadas
bastante
expressivas
da
população
dos
países
capitalistas
desenvolvidos. Ainda que alguns países -- comoa Alemanha, por
exemplo -- tenham dado origem a programas de seguro social já no
final do século passado e que políticas de proteção a idosos,
mulheres, incapacitados, etc tenham se desenvolvido em vários países
já no início deste século, é certo que o fenômeno do welfare state
sofreu incontestável expansão e até mesmo institucionalização no
período do pós-guerra. É a partir de então que segeneraliza e ganha
dimensões quase universais nesses países um conjunto articulado de
programas de proteção social, assegurando o direito à aposentadoria,
habitação, educação, saúde, etc.
Fenômeno de tal magnitude e importância que conduziu um
importante autor, que identifica políticas sociais com socialdemocratização da sociedade, a afirmar que
"(...) Quando nos damos conta de que a socialdemocracia não é
um absoluto, quando nossa sensibilidade percebe que o mundo não
teria sido o mesmo sem ela; então, há necessidade de uma nova
teoria". (Esping-andersen, 1985a:xiii)

1
2

. Pesquisadora do NEPP/UNICAMP e doutoranda em Ciências Sociais no IFCH/UNICAMP.

.

Este artigo beneficiou-se de várias contribuições. O curso sobre "Teorias
Explicativas do Welfare State", deArgelina Cheibub Figueiredo, bem como a
classificação destas correntes ali proposta e seus comentários à versão
preliminar deste trabalho foram de inestimável ajuda. Agradeço também os
comentários à mesma versão feitos por Sônia Miriam Draibe e Marcus André Mello.
No entanto, são de minha inteira responsabilidade as opiniões aqui expressas.

1

Muitos autores se dedicaram à tarefa de explicara origem
e desenvolvimento do welfare state. A bibliografia sobre o assunto é
imensa. A controvérsia sobre as razões, o significado e as
perspectivas do fenômeno não é menos complexa. No entanto, é
possível ordenar de algum modo este debate e melhor compreendê-lo,
bem como dele extrair hipóteses para analisar a experiência latinoamericana, fenômeno este ainda tão pouco investigado. É estanossa
principal preocupação: extrair, desta vasta produção teórica e
analítica, argumentos explicativos acerca deste fenômeno nos países
desenvolvidos.
É preciso dizer, desde logo, que o ordenamento de tal
discussão não é tarefa fácil, e por várias razões. A principal delas
diz respeito ao critério mais adequado para fazê-lo.
Em primeiro lugar, ao longo do tempo e, devido sobretudo
aosavanços obtidos com base no acúmulo de conhecimentos e no
desenvolvimento
das
pesquisas
comparativas,
sofisticaram-se
crescentemente as
variáveis
analíticas utilizadas. Assim, os
trabalhos datados da década de 50 e 60, baseados fortemente no
indicador "volume do gasto social" deram lugar na década de 80 a
análises bastante mais sofisticadas, nas quais distintos indicadores
relativos à "formae natureza deste gasto" permitem uma abordagem
teórica qualitativamente superior do fenômeno a ser estudado. A
sofisticação da abordagem do fenômeno implicou maior sofisticação na
explicação das razões de sua existência. Em outras palavras, são
muito variadas, em diversidade e grau de refinamento, as categorias
analíticas e os indicadores utilizados pelos autores, entre si e ao
longo dotempo.
Além disso, e certamente apresentando dificuldades muito
maiores para um ordenamento do debate, temos a tarefa da seleção dos
textos e autores a serem incluídos em um trabalho deste tipo. As
obras que nos habituamos a consultar são de natureza bastante
distinta. Alguns trabalhos, que aportam uma enorme contribuição em
termos
de
informação
empírica,
histórica
ou
até
mesmo...
tracking img