Arcadismo em portugal

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1135 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Arcadismo em Portugal

Autor:
Manuel Maria de Barbosa l'Hedois du Bocage (Setúbal, 15 de Setembro de 1765 — Lisboa, 21 de Dezembro de 1805), poeta português e, possivelmente, o maior representante do arcadismo lusitano. Embora ícone deste movimento literário, é uma figura inserida num período de transição do estilo clássico para o estilo romântico que terá forte presença na literaturaportuguesa do século XIX.
É considerado como um dos nossos melhores poetas, e depois de Camões o mais popular e celebrado de todos.

Obras:
A Morte de D. Ignez
A Pavorosa Illusão
A Virtude Laureada
Elegia
Improvisos de Bocage
Mágoas Amorosas de Elmano
Queixumes do Pastor Elmano Contra a Falsidade da Pastora Urselina

Autor:
António Dinis da Cruz e Silva (Lisboa 1731 – Rio de Janeiro, 5Outubro de 1799) é um poeta português do século XVIII, foi magistrado de profissão e fundador da Arcádia Lusitana em 1756. António Dinis da Cruz e Silva foi um fiel seguidor dos princípios estéticos preconizados pelo neoclassiscismo, nomeadamente o francês, e só em raros momentos libertou a sua poesia dos convencionalismos arcádicos.

Obras:
Em 1801 são publicadas as “Odes Pindáricas”, em 1802 opoema “O Hissope” e, entre 1807 e 1817, parte significativa da sua obra foi publicada em seis volumes sob a denominação “Poesias”. Permanece ainda hoje inédita uma parte considerável da sua obra.

Autor:
Pedro Antônio de Correia Garção, poeta português, nasceu em 1724 e morreu em 1772. Não terminou os estudos na Universidade de Coimbra. Exerceu o cargo de escrivão na casa da Índia. A sua atençãopública e literária apresentou-se mais ou menos obscura. Pouco a pouco antes de morrer incompatibilizou-se com o Marquês de Pombal.
A esposa, D. Maria Ana Xavier Fróis Mascarenhas de Xande Salema, troxe-lhe avultados bens, desaparecidos, mais trade, em litigio judiciais. A perda da fortuna não representou a sua única desgraça; ocorreu-lhe a prisão, a principio em segredo; após na sala livre.Quando, graças à dedicação da mulher, ia ser solto, faleceu. A causa até hoje não está devidamente averiguada. Supuseram que fosse o poemeto ao infante D. Pedro não consentindo que se levantasse uma estátua, no qual se quis ver uma crítica ao fato de haver o Marquês de pombal mandado colocar o seu medalhão no monumento a D. Pedro I. A hipótese é inaceitavel porque o encarceramento ocorreu em 1771 e aestátua data de 1775. Outros atribuiram o caso a uma aventura amorosa com a filha de um intendente escocês Macbean, de cuja hospitalidade teria abusado; contudo, nada se esclareceu e a imaginação pode elaborar livremente qualquer fantasia.
Obras:
A obra de Correia Gração abrange múltiplos aspectos, ressaltando a sua atividade de legítimo teórico e orientador do Classicismo. Cultivou a sátirahoraciana e foi exelente metrificador. Discutia se no teatro devia ou não ser derramado sangue em cena, preferindo eloquentes narrativas. Preconizou a imitação, mas com critério seletivo:
"Imite-se a pureza dos antigos Mas sem escravidão, com gosto livre, Com polida dicção, com frase nova, Que a fez, ou adotou a nossa idade. Ao tempo estão sujeitas as palavras; Umas se fazem velhas, outras nascem:Assim vemos a fertil primavera, Encher de folhas ao robusto tronco, A quem despiu o inverno desabrido."

Autor:
D. Leonor de Almeida Portugal de Lorena e Lencastre, filha de D. João de Almeida Portugal, conde de Assumar, conhecida como a poeta "Alcipe", nasceu em Lisboa em 31 de outubro de 1750 e morreu em 11 de outubro de 1839 em Benfica, na mansão do neto, veador honorário da Fazenda(Finanças) da Casa Real, D. José Trazimundo Mascarenhas Barreto, Marquês de Fronteira.

Obras:
Obras poeticas de D. Leonor d'Almeida, etc., conhecida entre os poetas portugueses pelo nome de Alcippe». Lisboa, 1844, com o retrato da autora. Seis volumes.
Tomo I: Noticia biographica da marqueza, seguida de outra noticia historica de seu esposo e conde de Oeynhausen; Poesias compostas no mosteiro de...
tracking img