Aprender a morrer

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (737 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Jean-Paul Sartre (1905-1980). A morte é mera faticidade

A frase todo homem é mortal teria o mesmo sentido de todo homem é natal, isto é, a morte não será necessária para o indivíduo assim comonão foi necessário que ele nascesse.

--------------------------------------…


Martin Heidegger (1888-1976). A morte é um principium individuationes

Heidegger dá ênfase ao sentimento deangústia do homem diante da morte. A angústia da morte é algo que altera tão radicalmente o homem que o transforma em existenz, o único ser autêntico, o único ser individual, o único ser realmente mortal.Todos os seres vivos morrem, é verdade, mas vivem e morrem enquanto espécie, não podem ter consciência da mortalidade individual. O existenz, entretanto, já não existe como espécie e sim comoindivíduo.

A angústia diante da própria morte libera, individualiza e destaca o existenz do homem-massa, eleva o homem-espécie à condição de um existente autêntico.--------------------------------------…

Karl Jaspers (1883-1969). A morte é uma situação-limite

Semelhante a Heidegger, o filósofo e psicanalista Karl Jaspers verá na morte um componente importante para a estrutura interna dohomem.

Ele a define como uma situação-limite, conceito que convida a uma abordagem mais psicanalítica que filosófica. Situações-limite são aquelas em que o homem "se acha como na frente de um murocontra o qual bate sem esperança"

. Pode ser um "dever tomar a seu cargo uma culpa", um "não poder viver sem luta e sem dor", etc. Nessas situações, o homem é convidado a sair do anonimato daespécie para assumir sua autenticidade, forjar e construir sua vida segundo um plano próprio, não se perder nem se deixar levar pela massificação, pela frivolidade, pela tagarelice, enfim, ametamorfosear-se em existenz através da angústia em torno das situações-limite.

--------------------------------------…


Sören Kierkegaard (1813-1855). A morte é uma tragédia solitária.

A tese da...
tracking img