Alvares de azevedo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1703 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Nota:

8,5

São Paulo, 13 de dezembro de 2011



Professor: André

Vida e obra
Manuel Antonio Álvares de Azevedo foi um poeta que pertenceu à segunda geração do romantismo brasileiro o ultrarromantismo ou mal-do-seculo, um ótimo poeta, escritor e contista. Nasceu em 12 de setembro de 1831 na cidade de São Paulo-SP, filho de um estudante de direito, Inácio Manuel Álvares de Azevedo eMaria Luiza Mota Azevedo ambos de uma família ilustre. Do nascimento a sua morte sua figura é cercada de contradições, inclusive sobre o local de seu nascimento que até então teria sido na sala da biblioteca da faculdade de direito de São Paulo, mas que logo depois foi confirmado que seu nascimento teria sido mesmo na casa de seu avo materno, Severo Mota. Ainda criança mudou-se para o Rio deJaneiro em 1833, onde cursou o primário e em 1840 entrou para o colégio Stoll onde terminou a quinta serie e retornou para são Paulo em 1844 na companhia de seu tio, voltou para o rio de janeiro no ano seguinte para se matricular no internato Pedro II para finalmente terminar seus estudos. E já em 1848 entrou para a faculdade de direito de são Paulo onde levou seus estudos muito a serio e teve umaintensa vida literária e também se tornou o fundador da revista mensal da sociedade Ensaio Filosófico Paulistano. Os seus contemporâneos eram José Bonifácio e as suas maiores amizades de São Paulo Aureliano Lessa e Bernardo Guimarães com os quais constituiu uma republica de estudantes na chácara dos ingleses. Foi bastante influenciado pelo Lord Byron e por Musset em suas poesias colocava elementosdesses escritores, já em suas obras o que prevalecia eram as presenças melancólicas e de morte. Além de tudo Álvares de Azevedo era de pouquíssima vitalidade e os desconfortos das republicas aliados ao esforço intelectual o

enfraqueciam e deixavam-no com problemas de saúde, entre 1851 e 1852 após ter tido uma lesão da queda de cavalo que sofrera acabou tendo uma tuberculose pulmonar e acaboufazendo uma cirurgia que não deu certo e às 17 horas do dia 25 de abril de 1852 faleceu, com apenas 21 anos de idade, seu corpo foi enterrado no cemitério Pedro II, na praia vermelha; e em 1854 foi transladado para o cemitério São João Batista. Ele escreveu a obra ‘‘ Se eu morresse amanha’’ dias antes de morrer e lida por Joaquim Manuel Macedo como uma homenagem para Álvares de Azevedo no dia de seuenterro. A obra de Álvares de Azevedo é o ponto mais alto do ultraromantismo brasileiro. Antes de sua morte entre 1848 e 1851 publicou poemas, artigos e discursos como as duas principais obras o livro de poesia ‘‘lira dos vinte anos’’ em que fala de amor e morte, e o livro em prosa ‘‘noites na taverna’’ em que jovens embriagados contam historias macabras de crimes e paixões. Suas obras sãoinconfundíveis, pois nelas estavam retratadas palavras que expressavam seus estados de espírito mais profundos e fugindo bastante da realidade, buscando o amor intensamente e acima de tudo uma vida bem diferente do que se esperava ter naquela época. Algumas de suas obras completas que conhecemos hoje são: as poesias diversas, o poema do frade e o conde lopo, poemas narrativos; Macário, ‘‘tentativadramática’’; noite na taverna, contos fantásticos; a terceira parte do romance o livro de Fra gondicário; os estudos críticos sobre literatura e civilização em Portugal, lucano, George Sand, Jacques Rolla, alem de artigos, discursos e 69 cartas. Com suas obras enquadradas nos dualismos que caracterizam a linguagem romântica que é vista nas partes que formam sua obra principal, lira dos vinte anos. Na primeirae na terceira parte da obra mostram um Álvares adolescente, sentimental e ingênuo. Já na segunda parte apresenta uma face irreverente, irônica, macabra e por varias vezes orgíaca e degradada ou seja , um jovem em conflito com a realidade. Em ‘‘lembranças de morrer’’ está o melhor retrato dos sentimentos que envolvem sua vida: ‘‘Descansem o meu leito solitário/ Na floresta dos homens...
tracking img