Reserva mental

Páginas: 6 (1349 palavras) Publicado: 16 de maio de 2013
CONCEITO


Segundo Orlando Gomes, “na reserva mental, oculta-se a vontade contrária a declarada. O declarante mantém na mente o verdadeiro propósito – propositum in mente revelentum – e, o propósito oculto não deixa de ser oculto por ter sido comunicado a terceiro.”
Para Mota Pinto, na reserva mental “O declarante emite uma declaração não coincidente com a vontade real, semqualquer conluio com o declaratário, visando precisamente enganar este”.
Levando-se em consideração os dois conceitos retro-mencionados pode-se afirmar que Reserva Mental é a exteriorização de uma declaração em que o conteúdo não condiz com o verdadeiro propósito do declarante, tendo este por único objetivo iludir o declaratário. Ressalta-se que se o declaratário se deixa enganar pela declaração,pensando o declarante que ele percebeu a divergência, não há reserva mental e sim declaração não séria.
Lembra Nelson Nery que, para que a reserva mental ocorra, o declarante deve ter a intenção de enganar o declaratário, porém não se perquire quanto à existência do objetivo de causar prejuízo.
Neste sentido, Maria Helena Diniz, classifica a reserva mental em lícita e ilícitaconhecida do declaratário. Na primeira, o declarante possui como único escopo enganar a outra parte; a segunda refere-se ao conhecimento do declaratário, vale dizer, este realiza o negócio jurídico por ser conhecedor da vontade real do declarante, ainda que esta não tenha sido exteriorizada.
São dois os elementos que compõe a reserva mental, a saber:


• Declaração não querida em seuconteúdo (divergência intencional entre a vontade real e a declarada)
• Propósito de enganar o declaratário ou terceiro (enganar, intencionalmente o declaratário, quer com o objetivo de prejudicar ou não).


A mentira que configura a reserva mental somente é relevante para o negócio jurídico se tiverem efeitos jurídicos. Tal relevância permite a anulação do negócio por parte dodeclaratário, que foi intencionalmente induzido em erro. Portanto, percebe-se que a declaração do negócio emitida pelo declarante não é, em princípio, nulo, sendo capaz de produzir todos os efeitos, ou seja, o negócio jurídico em que houve a reserva mental tem existência e validade.
Entremente, conhecida a reserva por parte do declaratário no momento da realização do negócio jurídico, este se tornanulo, e não mais anulável. Nesse caso, o desfecho da questão se aproxima do instituto da simulação.


HISTÓRICO


É conhecido o instituto da reserva mental desde os séculos mais remotos com a expressão reservatio mentalis, oriunda do Direito Canônico. Contudo, nem mesmo este continua a tratar de tal assunto.
O Código Civil brasileiro de 1916 não tratou da reserva mental, emboraconstá-se no projeto de Clóvis Beviláqua:


“A declaração subsiste válida, ainda que o declarante haja feito reserva mental de não querer o que declara, salvo-se a pessoa a quem for dirigida tiver conhecimento da reserva”.

Contudo, tal instituto somente veio a ser introduzido no artigo 110 do Novo Código Civil, acompanhando a redação de Clóvis:


“A manifestação de vontade subsiste,ainda que seu autor haja feito a reserva mental de não querer o que manifestou, salvo-se dela o destinatário tinha conhecimento”.






JURISPRUDÊNCIA


|TIPO DE PROCESSO: APELAÇÃO CÍVEL |NÚMERO: 70000621003 |RELATOR: ADÃO SÉRGIO DO NASCIMENTO CASSIANO |
|TRIBUNAL: TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RS |DATA DE JULGAMENTO:25/04/2001 |
|ÓRGÃO JULGADOR: PRIMEIRA CÂMARA ESPECIAL CÍVEL |COMARCA DE ORIGEM: PORTO ALEGRE |


EMENTA: APELACAO CIVEL. ACAO ORDINARIA. INDENIZACAO. DANOS MORAIS. AUTORIZACAO DE USO DE FOTOS PARA FINS INSTITUCIONAIS NAO SE CONFUNDE VEICULACAO DE PROPAGANDA EM JORNAL DE GRANDE CIRCULACAO...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • Reserva Mental
  • o que é reserva mental
  • reserva mental
  • Reserva mental no direito civil
  • Simulação e Reserva Mental
  • reservas
  • Reservas
  • sem reservas

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!