blabla

Páginas: 5 (1085 palavras) Publicado: 17 de setembro de 2014
E.E Professor Miguel Reale





















Nome: Wesley Macedo do Nascimento N°42
Prof° Maria Expedita 2° ano B

Diadema,17 de Setembro de 2014
Humilhação na velhice

Durante uma vida a gente é capaz de sentir de tudo, são inúmeras assensações que nos invadem, e delas a arte igualmente já se serviu com fartura. Paixão, saudades, culpa, dor-de-cotovelo, remorso, excitação, otimismo, desejo – sabemos reconhecer cada uma destas alegrias e tristezas, não há muita novidade, já vivenciamos um pouco de cada coisa, e o que não foi vivenciado foi ao menos testemunhado através de filmes, novelas, letras de música. 

Há um sentimento, noentanto, que não aparece muito, não protagoniza cenas de cinema nem vira versos com freqüência, e quando a gente sente na própria pele, é como se fosse uma visita incômoda. De humilhação que falo. 

Há muitas maneiras de uma pessoa se sentir humilhada. A mais comum é aquela em que alguém nos menospreza diretamente, nos reduz, nos coloca no nosso devido lugar - que lugar é este que não permitemovimento, travessia?. Geralmente são opressões hierárquicas: patrão-empregado, professor-aluno, adulto-criança. Respeitamos a hierarquia, mas não engolimos a soberba alheia, e este tipo de humilhação só não causa maior estrago porque sabemos que ele é fruto da arrogância, e os arrogantes nada mais são do que pessoas com complexo de inferioridade. Humilham para não se sentirem humilhados. 

Mas equando a humilhação não é fruto da hierarquia, mas de algo muito maior e mais massacrante: o desconhecimento sobre nós mesmos? Tentamos superar uma dor antiga e não conseguimos. Procuramos ficar amigos de quem já amamos e caímos em velhas ciladas armadas pelo coração. Oferecemos nosso corpo e nosso carinho para quem já não precisa nem de um nem de outro. Motivos nobres, mas os resultados sãovexatórios. 

Nesses casos, não houve maldade, ninguém pretendeu nos desdenhar. Estivemos apenas enfrentando o desconhecido: nós mesmos, nossas fraquezas, nossas emoções mais escondidas, aquelas que julgávamos superadas, para sempre adormecidas, mas que de vez em quando acordam para, impiedosas, nos colocar em nosso devido lugar.




Como prevenir a humilhação com idosos

As pessoas idosassão particularmente vulneráveis aos maus-tratos, uma vez que se encontram
freqüentemente numa situação de fragilidade e dependência.
Como prestadores de cuidados, temos de estar preparados para:
Preveni-los,
Evitá-los;
Saber identificar sinais e sintomas, de forma a detectá-los em tempo útil;
Agir para lhes pôr termo e responsabilizar os seus autores;
Tudo fazer para a recuperação da vítimamediante a superação dos efeitos.
Tudo isto implica formação que nos torne capazes de actuar sem preconceitos e estereótipos, de
conjugar os conhecimentos indispensáveis, de articular as actuações que a especificidade da situação
exija. Sempre tendo em conta o superior interesse do idoso.
Temos de promover mudanças de comportamentos e atitudes face ao envelhecimento; ele tem de seraceite como um fenómeno natural, que faz parte do ciclo da vida. Só assim poderão as pessoas idosas
viver com dignidade e participar plenamente em actividades educativas, culturais, espirituais, sociais e
económicas como titulares que são de cidadania plena, fundada na sua dignidade como pessoa.
A prevenção passa também pelo planeamento dos cuidados. Este planeamento é efectuado em reuniõesmultidisciplinares e tendo em especial atenção aos residentes mais dependentes ou que sofrem de
problemas mais complexos. Os colaboradores são encorajados a falar aos seus superiores ou
supervisores sobre as suas preocupações ou frustrações. Esta prática contribui para reduzir tensões.
Uma vez que prestar cuidados a pessoas idosas é uma tarefa desgastante, existe um regime de
Rotatividade,...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • blabla
  • blabla
  • blabla
  • Blabla
  • Blabla
  • blabla
  • blabla
  • Blabla

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!