O uivo jovem: a contracultura e a formação da nova consciência na obra on the road de jack kerouac.

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3173 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 1 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
O UIVO JOVEM: A CONTRACULTURA E A FORMAÇÃO DA NOVA CONSCIÊNCIA NA OBRA ON THE ROAD DE JACK KEROUAC.

Autor: Carla Teixeira
Titulação: Graduanda em História
Instituição: Unesp/Assis

RESUMO: O período referente às décadas de 1950 e 1960 foi marcado pela busca de um mundo verdadeiramente humano, contrapondo-se ao binômio “dinheiro e poder”, engendrado pelo capitalismo. Consequentemente, houveo surgimento de movimentos contraculturais como a geração Beat, o movimento Hippie e a retomada de manifestações culturais anteriores aos anos 1960, como o dadaísmo, o surrealismo e o existencialismo. Jack Kerouac publica, em 1957, On the Road, obra que iniciou uma revolução cultural nos Estados Unidos, tornando-se manifesto da geração beat ao romper com o compromisso do american way of life epregando a busca por formas de existências autênticas. Diante de uma sociedade que aniquilava o indivíduo, os beatniks buscavam uma nova consciência liberta de padrões, alcançada por meio do uso de drogas e experiências repletas de marginalidade que ansiavam pela mudança do Status Quo.

PALAVRAS-CHAVE: Contracultura, Nova Consciência, On the Road, Geração Beat, Jack Kerouac

O uso daliteratura como documento histórico, em suas diferentes formas e expressões, permite ao historiador acessar dimensões do passado que nem sempre são alcançadas por meio das fontes oficiais. Os textos literários possibilitam, do presente, aprofundar as leituras de uma realidade pretérita latente, captando e significando sensibilidades, costumes e hábitos não facilmente visíveis, o que proporciona umaaproximação com realidades afetivamente vividas e com modos de ver e sentir que escapam a outras formas de discurso. A revolução cultural iniciada em 1950 deixou profundas marcas em todas as formas de arte. Na literatura, destaca-se a obra On the Road, de Jack Kerouac, considerada a mais importante de todo o movimento norte-americano.
O período referente às décadas de 1950 e 1960 foi marcadopela busca de um mundo original e verdadeiramente humano, contrapondo-se ao binômio “dinheiro e poder” engendrado pelo sistema capitalista. Consequentemente, houve o surgimento de movimentos contraculturais como a geração Beat, o movimento hippie, a New Left (Nova esquerda) e a retomada de manifestações culturais anteriores aos anos 1950, como o dadaísmo, o surrealismo e o existencialismo. Aexplosão demográfica no pós-guerra originou a geração denominada baby boomers, constituída por jovens que ansiavam por uma nova sociedade ajustada às suas aspirações comunitárias, libertárias e hedônicas. A partir desse contexto de transformação cultural que Jack Kerouac escreve, em Abril de 1951, num rolo de papel para telex de 40 metros ininterruptos de prosa em espaço um sem parágrafo, aditivado pordoses colossais de benzedrina, On the Road, a obra tida como a bíblia dos Beats e o agente catalisador do movimento hippie de 1960.

Os Beats são o ponto de partida para o movimento contracultural dos anos 1960 e considerada, por muitos autores, como a face do existencialismo norte-americano. Essa geração foi composta por um grupo de jovens escritores e poetas estadunidenses que, após aguerra, escreveram sobre a América. O movimento surgiu em 1950, na cidade de São Franscisco, na Califórnia, destacando-se no interior desse processo, poetas e escritores como Allen Ginsberg, Willian Burroughs, Neal Cassady, Gregory Corso, Lawrence Ferlinghetti e Jack Kerouac, do qual trataremos. O pensamento desse grupo de pessoas, vindas da classe média da sociedade norte-americana,caracterizou-se pela postura crítica assistemática à modernidade e pelos seus paradigmas de racionalidade.

A palavra beat é uma simbologia que, nesse contexto, significa batida de Jazz, beatitude, embalo, ritmo (para expressar saturação), o golpe ou o sentimento de quem se sente usado. De acordo com Kerouac, significaria “ser pobre e ainda ser iluminado e ter idéias sobre o apocalipse e tudo isso...
tracking img