O seminarista

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1103 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Vida do autor

Bernardo Joaquim da Silva Guimarães nasceu em Ouro Preto, Minas Gerais, em 15 de agosto de 1825, foi magistrado, jornalista, professor, romancista e poeta. É o patrono da Cadeira nº 5 da "Academia Brasileira de Letras", por escolha de Raimundo Correia.
O seu livro mais conhecido é A Escrava Isaura. Foi publicado pela primeira vez em 1875, pela Garnier. Conta as agruras de umabela escrava mulata que vivia em uma fazenda do Vale do Paraíba, na região fluminense de Campos.
O livro de Bernardo Guimarães mais bem aceito pela crítica é O seminarista, cuja primeira edição é de 1872. Permanece atual porque questiona o celibato dos padres. Conta a história de um fazendeiro de Minas Gerais que obriga o seu filho a ser padre. Eugênio, o filho, ama desde criança Margarida, filhade uma agregada da fazenda. Ele tenta abandonar o Seminário de Congonhas em Minas Gerais, mas o pai dele, o capitão Antunes, inventa que Margarida se casou. Eugênio se ordena. Mas ele se endoidece no dia em que volta a sua cidade para rezar a sua primeira missa e se depara, na igreja, com um cadáver, o da Margarida, que tinha estado muito doente.

• Obras Publicadas:

1852 Cantos da Solidão 1864 O Ermitão de Munquém 
1865 Poesias 
1867 Inspirações da Tarde
1871 Lendas e Romances 
1872 O Seminarista 
1872 História e Tradições da Província de Minas Gerais 
1872 O Garimpeiro 
1873 O Índio Afonso 
1875 A Escrava Isaura 
1876 Novas Poesias 
1877 Maurício ou Os Paulistas em São João d'El Rei 
1879 A Ilha Maldita e O Pão de Ouro 
1883 Folhas de Outono 
1883 Rosaura, a Enjeitada05
Resumo da Obra

O livro conta a história de Eugênio e Margarida, duas crianças que cresceram juntos e criaram uma grande amizade, que ao longo do tempo virou paixão. Eles moravam em uma fazenda no interior de Minas Gerais junto com o Sr. e Sra. Antunes (pais de Eugênio) e Umbelina (mãe de Margarida) que trabalhava na sede da fazenda.
Quando Margarida tinha apenas dois anos, uma cobraapareceu a ela enquanto brincava, e todos ficaram apavorados, porém a cobra não lhe fez mal algum, somente envolveu-a por inteira, mas para algumas pessoas, principalmente a Sra. Antunes, a cobra era o demônio que apareceu para amaldiçoá-la assim como aconteceu com Eva.
O tempo passou e os garotos cresceram, e Eugênio disse a sua amiga que iria para o seminário estudar e ser padre, ambos ficaramtristes, pois iria ficar muito tempo sem se ver. O dia de ir chegou, e todos ficaram extremamente tristes, principalmente margarida que perdera seu grande amor de infância.
No seminário, Eugênio era um aluno exemplar, com boas notas e sempre elogiado pelos padres, mas ele sentia muita falta de sua família, e principalmente Margarida, e para tentar matar a saudade de sua amada, ele fazia belospoemas sempre à Margarida, porém, o Padre regente encontrou os poemas apaixonados feitos à ela e ameaçou expulsar o jovem do seminário, mas Eugênio pediu que ficasse e prometeu tentar esquecer Margarida, que para o Padre regente era uma grande tentação ao jovem.
Eugênio tentava tirar Margarida da cabeça de todas as formas, fazendo severas penitências, jejuns, e estudar bastante para estar sempre coma mente ocupada com alguma coisa, e isso foi causando sérios danos ao jovem, que perdeu muito peso e chegou a ser descrito como zumbi ambulante e ficou ainda mais triste e sozinho.
As férias chegaram, e Eugênio foi para a casa de seus pais, e chegando lá se deparou com a beleza de Margarida que já era uma moça. Eugênio matou a saudade de seus pais, dona Umbelina e principalmente de Margarida. Osdois jovens se gostavam muito, e o que Eugênio mais queria era deixar os estudos como padre para ficar com Margarida, mas o sonho de seus pais era ver seu filho como padre, e o garoto tinha medo de desapontá-los, então, Margarida e Eugênio sempre se encontravam escondidos dos seus pais na luz do luar.
A Sra. Antunes que era muito supersticiosa em relação às coisas da igreja, dizia que...
tracking img