O programa saude da familia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2396 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA E A CONSOLIDAÇÃO DO SUS
Profª Rosimár Alves Querino



No nosso quarto encontro presencial, recuperamos a trajetória das políticas de saúde no Brasil e discutimos as características principais das políticas de saúde elaboradas após a construção do Sistema Único de Saúde. Você se recorda dos princípios do SUS? Vamos recuperá-los:
• Universalidade• Integralidade da atenção à saúde;
• Equidade;
• Regionalização dos serviços de saúde;
• Hierarquização dos serviços por nível de complexidade;
• Descentralização das políticas;
• Participação e controle social;
• Racionalidade,
• Eficácia e Eficiência.


Desde a criação do SUS, vários foram osesforços para a efetivação desses princípios. Hoje começamos a colher os primeiros resultados positivos. Embora o caminho para a promoção da saúde da população brasileira seja longo, o primeiro passo foi dado pelo setor saúde e, como você está percebendo nos seus estudos, este é um momento de consolidação das conquistas já realizadas.
Para estudar os avanços alcançados e os principais problemasa serem enfrentados na organização dos serviços de saúde, os autores do texto Estudos sobre o processo de reforma em saúde no Brasil, analisam a reforma sanitária e o Sistema Único de Saúde com ênfase na implantação do Programa Saúde da Família. Viana & Dal Poz (1998) afirmam que, nos últimos anos, experimentamos dois diferentes tipos de reformas na saúde: uma reforma do tipo big bang e umareforma do tipo incremental.
Como podemos compreender cada uma destas reformas?
A reforma do tipo big bang pode ser entendida como um momento de transformações profundas. Transformações estruturais em que o antigo modo de pensar e fazer política de saúde explode pelos ares. Quando estas transformações ocorreram em nosso país?
De acordo com os autores, experimentamos a reforma dotipo big bang quando a saúde se tornou um direito universal e foram estabelecidos os princípios norteadores do Sistema Único de Saúde. Neste contexto, o Estado brasileiro alterou completamente a forma de prestar os serviços de saúde à população.
No entanto, esta reforma requer ainda a luta pelas mudanças nas práticas e ações cotidianas. Estas mudanças são chamadas pelos autores deincremental. A mudança incremental está em curso e refere-se às novas formas de organização dos serviços de saúde visando à promoção da saúde da população. Nas palavras de Viana & Dal Poz:
[...] define-se o processo de reforma incremental como um conjunto de modificações no desenho e operação da política. O conjunto de mudanças pode ocorrer, separada ou simultaneamente, nas formas deorganização dos serviços (mudanças nos sistemas e nas unidades prestadores), no perfil de financiamento e gasto da política ou ainda, no modelo assistencial. (VIANA & DAL POZ, 1998, p.06)


O marco da reforma incremental, na opinião dos autores, foi a implantação de dois programas: o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Atualmente, essesprogramas são a principal estratégia para a reorganização dos serviços e do modelo de atenção à saúde.
Como vocês perceberão ao longo do estudo sobre o PSF e o PACS, a família é tomada como o principal foco para a promoção da saúde. A ênfase na família não é exclusividade brasileira. Desde 1994, considerado pela Organização das Nações Unidas (ONU) como o Ano Mundial da Família, a família vemsendo priorizada na elaboração e implantação das políticas sociais. O Brasil foi um dos pioneiros na adoção do enfoque da família nas políticas sociais.
Em 1991, o Ministério da Saúde criou o PACS e, em seguida, mais precisamente em dezembro de 1993, concebeu o PSF. A trajetória da criação dos referidos programas é reconstruída por Viana & Dal Poz. Neste momento, para colaborar com sua...
tracking img