O principe (maquiavel)

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (497 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
O Principe (Maquiavel)
Dirigido aos governantes, "O Príncipe", pode ser perfeitamente aplicado ao cidadão comum, pois apresenta uma lição sobre as reais intenções de um governante ambicioso, queusava todas as armas para conseguir o que queria
A causa principal da queda de um príncipe é a negligência em versar-se na arte da guerra. Deve-se sempre estar focado nela, mesmo em tempos de paz, poisa sorte pega desprevenido mesmo o mais virtuoso dos príncipes se este não estiver preparado para suas artimanhas.
Para a fundação de um Estado, dominando outro já existente, há três opções; adevastação do mesmo; sua habitação; ou deixar-lhe viver como suas próprias leis pedindo apenas tributos e organizando um comando de confiança para geri-lo. Deverá precaver-se ainda mais caso o domínio antesseja uma república, pois um povo acostumado a ser livre não se curvará. O príncipe sempre precisará contar com os favores dos cidadãos locais para dominá-los, e deverá buscar ajuda nos privilegiadospela nova ordem imposta, mas o mais importante é nunca receber o ódio de seus súditos, designando então outras pessoas para realizarem as tarefas penosas e ele mesmo realizando as que trarão benefícios.Apesar das desconfianças não deve desarmar seus súditos, pelo contrário, assim conseguirá sua fidelidade e não atrairá seu ódio.
O príncipe pode ser atacado internamente e externamente, sendo doprimeiro modo por conspirações, que ele não deve se preocupar caso siga os conselhos de Maquiavel, de sempre manter uma imagem pública impecável, de sempre fomentar algumas desavenças para vencê-las eobter grandeza e de sempre ter a seu lado o apoio do povo e dos beneficiados pelo regime, assim as intrigas serão vistas como desonrosas e desleais; já para se proteger dos ataques de outros principadosdeve-se apostar nas forças armadas. Há duas maneiras de lutar; pela lei e pela força. Quando não há a possibilidade de agir como os homens deve-se agir como os animais, como a raposa que reconhece...
tracking img