O objeto libidinal

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 4 (926 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
O estabelecimento do objeto libidinal

Quando o bebê está entre o sexto e oitavo mês, ele sofre uma mudança de comportamento com relação a identificação do rosto das pessoas, o bebê já conseguedistinguir um amigo de um estranho.

(…) Por volta dessa idade, a capacidade para diferenciação perceptiva diacrítica está bem desenvolvida (…)

Nesta faixa de idade a criança possui traços dememória que a faz comparar o rosto do estranho com o de sua mãe, sendo que se ele for diferente a criança o rejeitará. Pode se notar isso na criança, se um estranho se aproxima ela recusa o contato eaparenta estar carregada de ansiedade.

(…) A ansiedade dos oito meses é a prova de que, para a criança, todos são estranhos, com exceção do único objeto; melhor dizendo, a criança encontrou o parceirocom quem pode formar relações objetais no verdadeiro sentido do termo. (Spitz 2004, p 163)

Denominado esse acontecimento como a “ansiedade dos oito meses” considerando-a como a primeiramanifestação de ansiedade. (Spitz 2004, p. 151)
Quando a criança vê o estranho, é provocado uma experiência de desprazer, pois ela associa o rosto diferente com a ausência da mãe.
Assim se é dado a relaçãoobjetal e o objeto libidinal estará definido sendo ele a mãe da criança.

Achamos que esta capacidade de deslocamento catexico em traços de memoria certamente guardados na criança de oito meses deidade reflete o fato de que ela estabeleceu, neste momento, uma verdadeira relação objetal, e que a mãe se tornou seu objeto libidinal, seu objeto de amor.”

Spitz afirma que assim a criança estarámodificando sua maneira de lidar com o seu ambiente e também estará adquirindo função do ego em um nível intelectual superior de desenvolvimento psíquico.
Uma objeção à nossa explicação da ansiedadedos oito meses Szekely questionou e criticou a explicação à ansiedade dos oito meses e usou um “ponto de vista biológico” para dizer que a Gestalt privilegiada representa apenas uma sobrevivência...
tracking img