O crescimento da prostituicao infanto juvenil na colonia antonio aleixo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1615 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 3 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
CENTRO UNIVERSITARIO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAZONAS
COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO
PÓS-GRADUAÇÃO (ESPECIALIZAÇÃO) EM DIREITO PENAL E PROCESSUAL PENAL











Anteprojeto de Pesquisa



PROSTITUIÇÃO INFANTO-JUVENIL




Pesquisadores : Daniel Reis Wanderley
Felipe dos Anjos Thury
HydjaRamos Bezerra
Josiel Silva Loureiro
Lucimar de Amorim Filipe
Marcio Djames da C. Furtado Raimundo Nonato F. JuniorOrientador : Prof. José Waldemar G. de Souza, Dr.

MANAUS – AM
2005
1.TEMA

Crimes Sexuais : A Prostituição Infanto-Juvenil.


2.CONTEXTUALIZAÇÃO


Nos últimos anos, a nossa sociedade, dita globalizada, tem se empenhado em combater um câncer social arraigado em conceitos culturais ultrapassados, sistemas jurídicos falhos e falta de fiscalização dos órgãos competentes.Esse mal, de raízes tão profundas quanto antigas, convencionou-se chamar prostituição infantil.
Em todos os países do mundo, surgem quase que diariamente notícias de crianças que mal ou sequer chegaram a puberdade jogadas a chamada vida fácil. O Brasil é mundialmente conhecido por tal situação fática, seja pela Internet ou até por agências de turismo. Todos os anos, milhares de estrangeirosvêm encontrar nossas lolitas, gerando muitos recursos para pessoas inescrupulosas, que se mantêm impunes, apesar de nossa legislação proibir veementemente tal prática.
Nos últimos cinco anos, os jornais locais têm veiculado inúmeras matérias que denunciam a prática do crime em epígrafe no seio da sociedade manauense. Um dos focos mais graves na prostituição infantil em nossa cidade é obairro Colônia Antônio Aleixo, situado no extremo leste de nossa capital, distante mais de trinta quilômetros do centro, sobre a qual trataremos de maneira mais específica neste trabalho.
O bairro em tela surgiu em meados do século passado com o objetivo de locar e tratar os pacientes infectados com hanseníase, tendo sido apelido logo em seguida de leprosário. As baixas condiçõessócio-econômicas desta localidade, tendo como principais : a) isolamento da área urbana de Manaus; b) falta de emprego; c) descaso das autoridade competentes, propiciaram um aumento exorbitante do número de crianças e adolescentes levados a vender seus corpos ainda não maturados pelo tempo. É comum encontrar nesta dita comunidade costumes ainda guardados de gerações passadas, lembrando as cidades do interior doEstado. As notícias são repassadas ao povo por um alto falante (voz) no meio de uma pracinha. E aos domingos, é ponto praticamente obrigatório de encontro dos cidadãos desta comunidade. É nesta referida praça que os agenciadores, sedentos por dinheiro, se valem da inocência das pequenas “marias” que ali circulam até altas horas, sem ter o que fazer e sem a presença dos pais para fiscalizar, queem sua maioria estão bebendo nos bares. É nesta falta de atenção que os aliciadores se aproveitam para agir, fomentando na cabeça dessas crianças o desejo por bens materiais, diversão e possibilidade de ganho fácil de dinheiro.
Aliado ao ladrão sempre vem o receptador, então aliado ao agenciador sempre vem os clientes. O governo mantém pensão mensal para os enfermos que ali se encontram, como intuito de tentar amenizar as agruras de suas vidas. Acontece que, devido ao abandono e baixa estima, estes, ao invés de usarem o dinheiro da maneira para a qual inicialmente seria destinado, recorrem ao supramencionados agenciadores para suprir suas necessidades afetivas e sexuais.
Todo esse cenário transcorre bem em frente dos órgãos que deveriam combatê-lo, quais sejam uma...
tracking img