A vontade boa de kant

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2061 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS
INSTITUTO SUPERIOR DE FILOSOFIA
CURSO DE FILOSOFIA BACHARELADO – LICENCIATURA







A VONTADE BOA DE KANT EM SUA


FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES









Carlo Junior dos Santos





Pelotas
2009
SUMÁRIO



INTRODUÇÃO 3
VONTADE BOA 4
CONCLUSÃO 8
REFERÊNCIAS 9






INTRODUÇÃO





Kant, emsua Fundamentação da Metafísica dos Costumes (1785), procura delinear os princípios de uma ética com caráter universalista. A ética não é tratada como uma ciência exata. Por isso, Kant vai explicá-la através de imperativos.

A moral kantiana desenvolve uma idéia de intenção e dever, que teria como suporte a vontade boa. O estudo que fizemos sobre essa moral teve como base a Fundamentaçãoda Metafísica dos Costumes. Para Kant, existem duas metafísicas, a saber, a da natureza e a dos costumes.

A filosofia natural estaria regida pelas leis da natureza, onde tudo acontece, o categórico, o ser, o que Kant considera como a Metafísica da Natureza. A filosofia moral estaria regrada pela lei da liberdade, onde tudo deve acontecer, mas considera que há condições sob as quais nãoacontece o que deveria acontecer, ou seja, o hipotético, esta seria chamada a Metafísica dos Costumes. Com isso, a metafísica da natureza estaria baseada em princípios da experiência, e a metafísica dos costumes em princípios a priori.

Nesse trabalho, observaremos o que Kant compreende por vontade boa. Durante o desenvolvimento do trabalho, poderemos perceber o uso de imperativos e a éticadeontológica que irão permear a vontade boa, na Fundamentação da Metafísica dos Costumes de Kant.















VONTADE BOA





Para Kant, a ética poder-se-ia ser chamada de “Filosofia prática universal” (Kant, 1984, p. 105), ou seja, que está além dos costumes. O termo Metafísica tem um conceito muito preciso para ele, que dentro de sua concepção filosófica, definetal termo como um conhecimento não empírico ou racional. Esse pensamento combinado ao conceito de costumes, que designa todo o conjunto de leis ou regras de conduta que normatizam a ação humana, é a Metafísica dos Costumes. Kant entende a Metafísica dos Costumes, como o estudo de leis que regulam a conduta humana sob um ponto de vista essencialmente racional, não contaminado pelo empírico. “Comopodemos facilmente perceber, a vontade boa é um conceito que diz respeito ao acatamento subjetivo da lei moral” (Dutra, 2002, p. 35). Com isso, podemos perceber como a vontade boa deve estar de acordo com as leis morais.

“A ética kantiana é uma ética formal e autônoma” (Vázquez, 1984, p. 250). Para a ética kantiana, a metafísica dos costumes torna-se essencial. Sua importância reside nãoapenas no fato de permitir a investigação sobre a origem dos princípios práticos, que residem apriori na razão. Mas também, devido ao fato dos costumes poderem se perverter quando falta um elemento que os conduza para a moral, pois o moralmente bom deve cumprir-se por amor da lei moral. Dessa forma, o indivíduo não terá consistência de buscar na razão o melhor modo de agir, tornando-se nãocontingencial. Observemos essas implicações em nossas ações.

a necessidade das minhas ações por puro respeito à lei prática é o que constitui o dever, perante o qual tem de ceder qualquer outro motivo, porque ele é a condição de uma vontade boa em si, cujo valor é superior a tudo (Kant, 1984, p. 117).


Diante disso, entendemos que é na razão prática que entra o compromisso moral denossas ações. Nós temos que educar a vontade, para que esta possa agir corretamente. E quem vai determinar o nosso agir correto é o imperativo categórico. O imperativo categórico compreende leis, normas e princípios. Os princípios vão educar a vontade boa, os princípios são dever. “Na Primeira Seção da Fundamentação, Kant analisa os conceitos fundamentais da sua moral, a saber, o conceito de...
tracking img