A queda da bolsa de nova york

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1257 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 15 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
FACULDADE PITÁGORAS DE TEIXEIRA DE FREITAS
Direito 2012.1

Adriano Martins Ribeiro
Daymara Nascimento Passos
Ingrid Novais
Jiuliete Santos Amorim
2012
A CRISE DE 1929

A QUEDA DA BOLSA DE NOVA YORK,1929
Contexto histórico

A crise de 1929, também conhecida como queda da bolsa de Nova York, foi uma das maiores crises do capitalismo norte-americano. As conseqüências dessa crise tiveram reflexos no mundo todo.
Após a Primeira Guerra Mundial terminou, os EUA se tornaram o país mais rico do mundo, pois além de não terem sofrido fisicamente com os conflitos como aconteceu na Europa, eram osmaiores produtores mundiais de aço, comida enlatada, máquinas, rádios, petróleo, carvão, tecidos, milho, chapéus, discos, fogões, brinquedos, etc.
Os Estados Unidos se tornaram a maior potencia econômica do mundo após a segunda guerra mundial. Na década de 20 as indústrias americanas produziam quase 50% de toda a produção industrial do mundo, gerando um consumismo desenfreado na vida dosnorte-americanos.
Porém, a partir de 1925 a economia começou a ter dificuldades na sua estrutura, graças ao aumento da produção industrial que não acompanhou o aumento dos salários; a mecanização da indústria aumentou o índice de desemprego; diminuição das exportações para os países da Europa tiveram uma queda drástica, pois estes estavam tentando se recuperar dos desastres da Segunda Guerra Mundial.Diante do quadro da superprodução industrial norte-americana e da falta de consumidores, as indústrias foram forçadas a diminuírem suas produções, e demitirem uma parte de seu pessoal.
A crise logo chegou ao mercado de ações, onde o valor dos papeis da bolsa de Nova York, um dos maiores centros acionistas da época, despencou aceleradamente, levando bancos, indústrias, e investidores norte-americanosà falência.

ADVENTO DA CRISE

Os primórdios da crise foram percebidos ainda em 1928, com a queda dos preços dos produtos agrícolas internacionais. Mas o fato mais importante se liga à queda da bolsa que gerou uma redução da importação de produtos primários para a indústria norte-americana, que vinham tanto da Europa quanto dos países da América Latina.
Muitos países da América e da Europapós-Segunda Guerra pegavam empréstimos com os Estados Unidos, para investimento nas suas reestruturações.
Depois de reconstituídos, os países europeus diminuíram as ixportações dos EUA, as indústrias norte-americanas começaram a aumentar os estoques de produtos, pois já não conseguiam mais vender como antes. Grande parte destas empresas possuía ações na Bolsa de Valores de Nova York e milhões denorte-americanos tinham investimentos nestas ações.
Muitos bancos emprestavam a capital para que fazendeiros investissem em suas produções. Com o advento da crise geral, muitos fazendeiros não pagaram suas dívidas. Isso causou queda nos lucros dessas instituições financeiras, o que levou muitos investidores a tirarem seus capitais destas com medo de possível falência. Assim, vários bancos foramfechados, decretando falência.
Sem os investimentos provenientes dos empréstimos bancários, a produção industrial continuasse a cair, levando diversos industriais à falência em pouco tempo e agravando o quadro de desemprego.

O CRACH DA BOLSA DE VALORES

A crise atingiu o mercado de ações e em 24 de outubro de 1929, a "quinta-feira negra" ocorreu o crack da Bolsa de  Valores de Nova York.
Coma propagação da crise na bolsa de Nova York, muitos acionistas corriam para vender suas ações, mas como não havia procura no mercado, os valores destas despencaram aceleradamente. Com isso, muitas empresas decretaram falência.
Quando uma indústria quebra, as demais que trabalham interligadas com ela também entram em crise. Com isso, se teve um aumento exacerbado no número de demissões.
Com o...
tracking img