A politica resenha

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1474 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de julho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Para Aristóteles, a política é um desdobramento da ética, se esta se preocupa com a felicidade individual do homem, aquela se preocupa com a felicidade da polis. Para isso, ele tenta descobrir a maneira de viver, as formas de governo e as instituições capazes de conduzir a felicidade humana. Trata-se, portanto, de investigar a constituição do Estado. No livro I, ele trata da natureza da cidade eseus elementos; no livro III, analisa a teoria da cidade e a sua relação com os vários tipos de regime.

LIVRO I

Aristóteles inicia livro I definindo o Estado como um tipo de associação, que como tal visa algum bem, no caso dessa sociedade política, visa a maior vantagem possível. Aristóteles descreve as relações do senhor com o escravo, do marido com a mulher, comparando-as pela natureza deservidão. O autor enfatiza a necessidade da existência humana em sociedade para uma melhor situação de vida. A família é considerada a associação estabelecida por natureza para atender as necessidades do dia-a-dia do homem, partilhando o sustento. A sociedade que forma em seguida, constituída por varias famílias, tendo em vista a utilidade comum, é a aldeia. E quando todas as aldeias se unem,formando uma comunidade, capaz de abastar-se a si mesma, surge a Cidade; originalmente formada para atender as necessidades da vida e a busca pelo bem-estar. Mostrando assim que o homem é um animal político por natureza.
Citando Homero, Aristóteles afirma que o homem que por sua natureza fosse sem pátria seria um indivíduo detestável, “sem lar, sem família e sem leis”. Após explicar a composição dafamília, o poder despótico e a escravidão, o estagirita fala sobre a economia, a qual ele difere da ciência de adquirim, já que esta tem por dispositivo fornecer meios de aquisição de bens e aquela usá-los. Também por a arte de adquirir ser infinita já que sendo a moeda um objeto de troca, a riqueza que resulta dela é ilimitada, enquanto a ciência econômica é necessário possuir um limite deriqueza.
Segundo Aristóteles, a propriedade é um componente do governo doméstico e a arte de adquirir bens é uma arte da economia, pois nenhum homem pode viver bem sem estar provido do necessário. E que há duas maneiras de obter riqueza: uma pelo governo doméstico, outra pelo comércio. A primeira é indispensável e merece muitos elogios, a segunda, em contrapartida, merece algumas censuras: nada recebeda natureza, mas tudo da convenção. As partes mais úteis dessa arte são em primeiro lugar: ter conhecimento das coisas antes que elas próprias sejam adquiridas: saber quais são as melhores, onde se encontram e a maneira mais vantajosa de obtê-las; a segunda é a usura, a terceira é o trabalho em troca de pagamento e a quarta, que fica entre a terceira e a primeira (pois é em parte natural em partecomercial) diz respeito às coisas que tiram da terra e não são frutos, mas têm utilidades.
Para concluir, Aristóteles deixa claro que se deve dar mais atenção ao governo doméstico relacionado aos homens do aquele unicamente relacionado a posse de coisas inanimadas; mais aos meios que conduzem a excelência humana do que os meios de adquirir aquilo que chamamos de riqueza, e mais a virtude do homemlivre do que a dos escravos. E que os tipos de comando diferem: o homem livre comanda seus escravos de maneira diferente que o macho comanda a fêmea, ou que o pai faz com o seu filho. Ainda que as partes da alma estejam em todos eles, elas estão presentes em diferentes graus.
LIVRO III

Aristóteles introduz o livro III buscando um real sentido sobre o que é ser um cidadão. De acordo com ele,cidadão é aquele que participa diretamente do governo, na administração da justiça e de cargos públicos, possuindo uma parte legal na autoridade deliberativa e na jurídica. Aristóteles ressalta que, embora a cidadania seja frequentemente reservado para aqueles que nascem de pais cidadãos, esse status hereditário torna-se irrelevante, em tempos de revolução ou mudança constitucional. Outro ponto...
tracking img