A personagem pirandeliana

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2960 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 19 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
\l
Faculdade de Letras da Universidade do Porto














AS PERSONAGENS QUE SE IMPÕE AO AUTOR




CONCEPÇÃO E TEORIA DA PERSONAGEM EM PIRANDELLO


A partir da peça Seis personagens em busca de autor

e do conto A Tragédia dum personagem
















Carla Micaela Ribeiro Barbosa
Drama Italiano - Mestrado em Texto Dramático
Dra. Rita MarnotoPorto, Agosto 2004


Pretendo com este trabalho, em torno da peça Seis personagens em busca do autor e do conto A tragédia dum personagem, definir no plano conceptual a Personagem, e por isso me situo no campo da obra dramática e não no campo da obra teatral, onde entraria o actor como novo factor de análise. Assim situarei a minha dissertação entre duas entidades autónomas: apersonagem e o autor, e este carácter de autonomia como pilar de toda a definição de Personagem para Pirandello.
Ficarei assim no universo idealista e filosófico em que Pirandello se situa, sem no entanto deixar de ressalvar, que esta é uma opção minha e não do autor, pois para Pirandello, ele não criava filosofias mas sim arte: «Eccomi qua a rispondere a quelle domande che vi piacerá rivolgermi –purché siano discrete – o sulla latteratura in genere o piú propriamente sul teatro o anche intorno a ció che purtroppo suol chiamarsi il mio pensiero filosófico, benché io non mi sai assunto nessuna responsabilitá filosofica e mi sai inteso sempre e soltanto di fare arte, secondo le mie possibilitá e non filosofia»[1].


Pirandello encontra-se no momento inicial de toda a renovação doteatro moderno. E várias correntes de pensamento teatral, filosófico, psicanalítico, directa ou indirectamente estiveram na origem da concepção da personagem pirandelliana. Tomarei aqui a peça e o conto como a base por excelência desta teoria.
Quero no entanto sublinhar que a melhor maneira de conhecer Pirandello e a sua obra é através do paradoxo, da constante contradição que nos leva a umnovo paradigma.











A dramaturgia pirandelliana vem trazer a renovação do teatro moderno, numa revolução contra o teatro burguês, contra o teatro naturalista. É a personagem que se emancipa do autor. O teatro moderno reivindica já a sua autonomia, independência do exterior. O dramaturgo está fora do drama. O drama representa-se a si mesmo. As réplicas são das personagens enão do autor. É, como nos diz Peter Szondi, na sua Teoria do Drama Moderno, o enunciado da forma e o enunciado do conteúdo a criticarem-se mutuamente, é já não a subjectividade no drama, mas a objectividade do drama, é o «épico» a invadir o «dramático». Na peça Seis personagens em busca do autor, a forma e o conteúdo dialogam, por um lado, as personagens que são a vida, vindas do reino da fantasia,e por outro a procura da forma no palco, a procura do autor.
Há em Pirandello a desconstrução das convenções naturalistas do binómio ficção /realidade. Ele leva o naturalismo até ao extremo, passando da ficção da realidade para o seu paradoxo, a realidade da ficção, pondo lado a lado, num mesmo tempo e espaço, a ficção e a realidade. A realidade física dos actores, a realidade ideal dopersonagens, os actores sem personagem e as personagens sem actores. Confronta assim todas as premissas do teatro naturalista. A ausência do cenário «identificador» da cena, as auto-citações, a recusa da ilusão da realidade, o mostrar aspectos da representação, é assim o perfeito desafio ao teatro naturalista. Suprimidos os prólogos, os coros, os epílogos, caberia aos diálogos todo o tecidodramático. Seis personagens em busca do autor é a obra por excelência do teatro moderno. É a independência das personagens em relação ao autor. Pirandello não quer representar a vida, mas criar a vida. Mas aqui já me situo no terreno do acontecimento teatral, na concretização da personagem através do actor. Irei me debruçar, por outro lado, na existência da personagem enquanto nomeno, fora das...
tracking img