A mulher que ousou lutar pelos direitos das mulheres: nísia floresta

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1681 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 23 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
INTRODUÇÃO

Este trabalho tem como objetivo o estudo da biografia de Nísia Floresta (1810 – 1885), retratar como viveu a mulher que ousou lutar pelos direitos das mulheres e, sobretudo suas contribuições para educação.
Nascida como Dionísia Pinto Lisboa, ficou conhecida pelo pseudônimo Nísia (diminutivo de Dionísia) Floresta (uma referencia ao sitio onde nasceu) Brasileira (afirmação de suaprofunda nacionalidade) Augusta (uma homenagem ao seu segundo companheiro e pai de seus filhos).
Apontada como uma das primeiras feministas brasileiras foi também educadora, escritora e poetisa. Nísia nasceu em 12 de outubro de 1810 no Rio Grande do Norte, filha de um advogado português Dionísio Gonçalves Pinto Lisboa e Antônia Clara Freire.
Nísia viveu em um período histórico em que as mulherespermaneciam enclausuradas e recebendo um nível de educação inferior ao dos homens, sofrendo diversos tipos de exclusão, sobretudo no campo intelectual.
Nísia, pioneira em sua época, esteve presente na luta pelos direitos da mulher e a igualdade entre mulheres e homens.

VIDA E OBRA
Nísia e sua família mudavam-se constantemente devido às perseguições sofridas pelo seu pai, que assumia causascontra grandes fazendeiros da região.
Em 1823, aos 13 anos, Nísia teve um primeiro casamento arranjado com Manuel Alexandre Seabra de Melo, que durou alguns meses, pois ela abandonou o marido e voltou a viver com a família.
Após a morte de seu pai Dionísio em agosto de 1828, Nísia passa a viver com o estudante de direito Manuel Augusto de Faria Rocha. Em janeiro de 1830 nasce a primeira filha deNísia, Lívia Augusta, que será sua grande companheira de viagem pela Europa e tradutora de seus livros.
Em 1831, Nísia Floresta estreou nas letras através do jornal “Espelho das Brasileiras” dedicado às senhoras pernambucanas, durante 30 números do jornal, a maioria desaparecida, a autora colaborou com artigos que tratavam da condição feminina em diversas culturas.
Nísia Floresta escreveu 15livros, tendo sua obra conquistado grande prestígio. E não somente no Brasil, mas também em diversos países da Europa.
Em 1832, publica seu primeiro livro “Direito das mulheres e injustiça dos homens” sobre o pseudônimo Nísia Floresta Brasileira Augusta. O livro continha a denúncia de preconceitos e do estado de inferioridade em que se encontravam as mulheres de seu tempo. No final deste mesmo ano,Nísia e sua família mudam-se para Porto Alegre.
O filho mais novo, Augusto Américo, nasce no Rio Grande do Sul em janeiro de 1833 e, em agosto do mesmo ano morre Manuel Augusto. Nísia permanece por mais quatro anos em Porto Alegre e se inicia no magistério, neste mesmo ano foi diretora de um colégio.
Ela acompanhou de perto os primeiros anos da revolução farroupilha e teria publicado artigos emjornais locais através de pseudônimos e anônimos.
Em 1837, muda-se para o Rio de Janeiro com a família, onde no ano seguinte anuncia no jornal do comercio a abertura do colégio Augusto para meninas, que incluía um programa de estudos como Latim, Caligrafia, História, Geografia, Religião, Matemática, Português, Frances, Italiano, Inglês, Música, Dança, Piano, Desenho e Costura. A diretora foivítima de ataques anônimos através dos jornais, sendo criticada pelo seu método de ensino e sobre sua vida particular.
Em 1842, ela publica o livro “Conselhos à minha filha”. Dois anos depois, em 1847, são publicadas três novas obras: “Daciz” ou “A jovem completa”, “Fany” ou “O modelo das donzelas” e “Discurso” que as suas educandas dirigiram à Nísia Floresta Brasileira Augusta.
No início de 1849,sai a primeira edição de “A lágrima de um caeté”, que trata do processo de degradação dos índios nordestinos pelos colonizadores. No mesmo ano, Nísia faz sua primeira viagem a Europa, devido a uma queda sofrida pela filha Lívia enquanto andava a cavalo. No ano seguinte é publicado no Rio de Janeiro um romance histórico da autora, o “Dedicação de uma amiga”.
Em 1853, publica no Rio de Janeiro o...
tracking img