A importancia de termos nossa propria opiniao

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1247 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 19 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Plano de Aula
Tema: A importância de termos nossa própria opinião.
Problema: De que maneira o grupo externo influencia na construção da identidade?
Tempo de duração: 50 minutos
Série: 2º ano do ensino fundamental
Objetivos:
* Exercer o seu papel de cidadão dentro da diversidade, valorizando, convivendo e compreendendo as diferenças que existem nos grupos.
* Participar dediferentes situações de comunicação oral e escrita.
* Participar de atividades prazerosas que despertem a criatividade da criança fazendo-a expressar-se.
* Posicionar-se de maneira crítica e responsável nas diferentes situações respeitando a opinião e o conhecimento do outro.
* Valorizar seu jeito de ser e conviver com as diferenças.

Metodologia: A metodologia utilizada neste plano deaula, será com atividades que privilegiem a construção do conhecimento pelo educando, propondo desafios, participações, relacionando-se com os outros, e com o meio em que vivem e convivem considerando o individuo como um todo e único oportunizando aos alunos uma discussão filosófica sobre a importância de cada indivíduo.
Desenvolvimento: Para introduzir o tema, primeiramente será contada a históriada Zeropéia (a seguir)




A ZEROPÉIA
Autor: Herbert de Souza – BETINHO
Ilustração: Bia Salgueiro
Editora: Moderna- 4 Ed.

Ia uma centopéia com suas cem patinhas pelo caminho quandotopou com uma barata.
Vendo tantas patinhas num bicho só, a barata ficou boquiaberta:
-Mas Dona Centopéia pra que tantas patinhas? A senhora precisa mesmo delas? Olha, eu tenho só seis e são mais do que suficientes! Posso fazer tudo, correr, trepar nas paredes, me esconder nos buracos. Ninguém consegue me acertar na primeira, nem na segunda chinelada!
- É – respondeu a centopéia -, eu não haviapensado nisso! E olha que tenho essas cem patinhas desde que nasci cinqüenta de um lado e cinqüenta do outro...
- Como à senhora faz quando tem uma coceira? – perguntou a barata - Já imaginou o trabalhão, coçando daqui e dali sem parar? Deve ser um inferno ter tantas patinhas! Por que a senhora não amarra noventa e quatro e fica com seis como eu? Vai ficar muito mais fácil e a senhora vai poderinclusive correr muito mais, como eu.
A centopéia nem pensou e amarrou as noventa e quatro patinhas. Doeu um pouco com todos aqueles nós, mas era necessário, e continuou a andar.
Lá na frente se encontrou com um boi.
Quando o boi viu a centopéia andando com seis patas ficou intrigado:
- Dona centopéia por que seis patas? Para que tantas? Olhe, eu só tenho quatro e faço o que quero! Corro,participo de touradas, pulo cerca quando quero, sou forte e todo mundo me admira! Por que a senhora não amarra mais duas patinhas e fica com quatro? Vai ficar mais ágil e vai correr tanto quanto eu...
A centopéia amarrou mais duas patinhas. Doeu um pouco, já estava quase dando cãibra,
mas era necessário, e continuou a andar.
Lá mais na frente, já andando com certa dificuldade, a centopéia se encontroucom
o macaco.
Quando o macaco viu a centopéia andando com quatro patas, ficou curioso.
Olhou bem, contou e recontou, e não se conteve:
- Mas... Dona centopéia, por que tanta pata se a senhora pode andar com apenas duas, como eu?Veja como eu faço: pulo de galho em galho, corro, ninguém me pega nesta floresta. Por que a senhora não amarra mais duas patinhas e fica assim, como eu?
A centopéianem pensou e amarrou mais duas patinhas. Agora só tinha duas patinhas livres, poderia viver em paz, como a maioria dos bichos da floresta, e se parecia até com as pessoas, podia até pensar em ter nome de gente, como Maria ou Florinda.
E continuou a andar, com muita dificuldade, mas tranqüila. Havia seguido todos os conselhos que recebera pelo caminho.Velhos tempos aqueles em que tinha cem...
tracking img