A dualidade do conceito de cultura

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1947 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 16 de dezembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
1

A Dualidade do Conceito de Cultura Roberto DaMatta (Publicado no jornal “O Estado de São Paulo” em 20/05/1999) Nossa atenção ao conceito de cultura é inversamente proporcional à paixão com que falamos sobre os seus produtos. Arte, música, literatura, teatro e cinema são, como no futebol, quase sempre discutidos, enquanto a grande categoria que permite alterar estas coisas - a ideia decultura - é ignorada. E, no entanto, existe uma dualidade no conceito de cultura. Há a ideia da Cultura ( com “C” grande ) e a “cultura” ( com “c” pequeno ). A entrega de um “prêmio multicultural” é uma boa oportunidade para refletir um pouco sobre essas duas acepções que, sem espírito crítico, podem levar a uma visão deformada e confusa da vida social e de seus produtos mais proeminentes e elaborados.Na visão corrente - a dos suplementos literários e das revistas semanais – a “Cultura” com “c” maiúsculo engloba “cultura” como estilo de vida. Dessa perspectiva, haveria um padrão ideal de manifestação artística, literária e dramática dentro do qual caberiam todos os outros costumes e manifestações humanas. Os grandes artistas do Ocidente seriam o ponto para onde tenderiam todas as outrasexpressões intelectuais e emocionais. Essa é uma maneira linear e englobante de falar de “cultura “. Um jeito que obviamente limita a problemática da diversidade e da equivalência de outros valores e formas simbólicas. Nesse sentido preciso, a “Cultura” canibaliza as “culturas”, fechando espaços para manifestações locais e singulares, quase sempre lidas como “atrasadas”, “ingênuas”, “primitivas” e,usualmente, “desinformadas”, “elementares” e “subdesenvolvidas”. Vistas como apêndices da grande “Cultura” produzida nos países centrais, essas manifestações não têm vida própria e luz interior, pois seriam meros ensaios e bisonhas caricaturas das técnicas e da obra que só o Ocidente produziu, esse “Ocidente” que, nesse contexto, assume o papel de medida universal de todas as coisas. Mas como, maisprecisamente, “Cultura” e “cultura” se diferenciam? Como sugeri acima, ideia de “Cultura” confunde-se com a noção progresso e com o prestigioso e bem estabelecido conceito de “civilização”. Neste nível, “Cultura” e civilização são sinônimos e remetem a uma visada evolucionista e universalista da sociedade e da história. Já a “cultura” (com “c” minúsculo) é apalavra central do vocabulário romântico, umvocabulário centrado não nos contratualistas ingleses, mas nos holistas alemães e, em seguida, na tradição antropológica contemporânea. Uma tradição que tem insistido em compreender o distante e respeitar o diferente, estando interessada no desvendamento de instituições exóticas e “primitivas” - coisas como o canibalismo e o politeísmo, os rituais de possessão e o carnaval, a ausência de Estado ea vingança, a dádiva eas formas de família...Dentre todas as disciplinas humanas e sociais, a tradição antropológica tem sido a única a relacionar criticamente universalismo cientificista com particularismo histórico, um diálogo esquecido das disciplinas “sociais” centrais, como a economia e a

2

ciência política, que abraçaram sem remorso os valores empiricistas do Iluminismo. Resistindotanto a redução positivista quantos aos delírios românticos, essa visada tem testemunhado (e denunciado) os efeitos trágicos do “progresso” tecnológico nas sociedades tribais e pago um preço por isso. Sua crítica relativizadora à ideia de progresso e atraso, de civilização e de selvageria, tem sido lida como um traço francamente conservador a até mesmo reacionário. Aqui não se fala em “Cultura” enatureza humana, mas em “culturas” como expressões mutuamente traduzíveis e irredutíveis entre si e das várias possibilidades do ser humano. Como adjetivo, atribuímos “Cultura” ( e “civilização”) a alguém ou a algum grupo como uma prova do seu refinamento. Pedro, conhecedor de vinhos, ouvinte de música clássica e capaz de ler em francês, inglês e alemão, teria mais cultura do que João ou Manoel...
tracking img