Turismo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 23 (5655 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Eixo 8 Educação e Turismo: formação e capacitação. A evolução da formação em Turismo: um caso Português

Fernanda Delgado Cravidão Centro de Estudos em Geografia e Ordenamento do Território Coimbra, Portugal cravidao@fl.uc.pt Norberto Pinto dos Santos Centro de Estudos em Geografia e Ordenamento do Território Coimbra, Portugal norgeo@ci.uc.pt 
 

Lúcio Sobral da Cunha Centro de Estudos emGeografia e Ordenamento do Território Coimbra, Portugal luciogeo@ci.uc.pt 
 

Resumo A evolução da formação em turismo em Portugal, no sentido da qualidade e da diversidade, tem acompanhado as solicitações de um mercado turístico em crescimento sustentado. Esta circunstância resulta da importância do turismo, enquanto actividade económica de referência, tanto em espaços urbanos como em espaçosrurais. Todavia, o grande significado do sector resulta, também, das valências de lazer e da importância da patrimonialização, que têm vindo a assumir-se como fulcrais nos processos de desenvolvimento, em diferentes escalas de actuação, do local ao nacional. A procura de novos e melhores profissionais reflectiu-se na oferta dos diversos níveis de ensino, com especial destaque para o ensino superiore no ensino profissional e técnico. Partindo da caracterização do turismo em Portugal, esta comunicação procura dar expressão ao modo como os recursos humanos estão a ser formados, num sector de actividade que necessita de rápida qualificação para poder responder a um crescimento que possa dar resposta tanto aos processos de democratização através do turismo, como aos processos de elitização, quesão identitários e colocam os territórios nas agendas globais e nos itinerários dos grandes eventos e realizações. Trata-se de um texto centrado num exemplo particular e primeiro em Portugal e levado desenvolvido na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. 1 - Introdução A actividade turística ocupa na economia dos serviços uma importância particular. Pelo seu significado social, culturale económico. De facto o tempo livre e o modo como se consome é uma conquista social e a sua organização passa por sistemas complexos. Dos 25 milhões de turistas em 1950, dos 800 milhões no inicio do século XXI, prevê-se que no inicio da segunda década deste século o seu valor ultrapasse os1,6 milhões, representado 10% do PNB mundial e empregando cerca de 100 milhões de pessoas, directamente, emtodo o mundo. A bacia do Mediterrâneo, durante largas centenas de anos considerada a fachada de lazer por excelência, não só se alarga como outros lugares/regiões se vão consolidando na Geografia do Turismo Mundial: da América do Sul a alguns países asiáticos, passando pela Austrália e pelos novos percurso africanos, praticamente todo o planeta entra nas rotas turísticas. Onde se criam novasnecessidades, novos produtos, onde a consciência da finitude dos recursos passa a estar sempre presente. Por tudo isto começa a emergir a necessidade de formar recursos humanos que cada vez mais respondam a procuras mais diversificadas, mais informadas, mais exigentes e que cada vez mais viajam.

Turismo e lazer encontram novas práticas e novos estilos de vida onde as “férias” contemplativas dão lugara actividades onde o prazer, o lazer, o saber e o respeito pelo ambiente passam a estar cada vez mais presentes. Este novo paradigma resume-se, segundo ONGHENA (2004,p.187), a “uma grande procura pela qualidade dos serviços, uma concentração mais reduzida no espaço e no tempo nos lugares de chegada e a transformação do modelo de sol e praia por um outro modelo onde o que se oferece é tudoorganizado em torno do divertimento, emoção e educação.” Neste contexto, Portugal não fica alheio. No mapa de algumas elites nacionais e europeias, quer através de territórios como a Madeira, quer da região de Sintra/ Cascais, Portugal está desde há muito mapeado. Mas, é sobretudo a partir de 1974, com a instalação do regime democrático, e desde 1986, com a entrada na então comunidade Económica...
tracking img