Triage neonatal

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3170 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
SEVIRÇO NACIONAL DE APREDIZAGEM COMERCIAL-SENAC
CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM

LEILIANE LEITE CAMURÇA

TRIAGEM NEONATAL

RIO BRANCO-ACRE2012

LEILIANE LEITE CAMURÇA

TRIAGEM NEONATAL

Esta e uma
PESQUISA DE FECAMENTO DA N2 DA PROFESSORA ANNE CAROLINE DO CURSO TECNICO ENFERMAGEMTURMA 226


RIO BRANCO –ACRE
2012

TRIAGEM NEONATAL > O QUE É?
A TRIAGEM NEONATAL É UMA AÇÃO PREVENTIVA QUE PERMITE FAZER O DIAGNÓSTICO DE DIVERSAS DOENÇAS CONGÊNITAS OU INFECCIOSAS, ASSINTOMÁTICAS NO PERÍODO NEONATAL, A TEMPO DE SEINTERFERIR NO CURSO DA DOENÇA, PERMITINDO, DESTA FORMA, A INSTITUIÇÃO DO TRATAMENTO PRECOCE ESPECÍFICO E A DIMINUIÇÃO OU ELIMINAÇÃO DAS SEQÜELAS ASSOCIADAS À CADA DOENÇA.
TODA CRIANÇA NASCIDA EM TERRITÓRIO NACIONAL TEM O DIREITO À TRIAGEM NEONATAL (TESTE DO PEZINHO). MAS, PARA QUE ESTE ALCANCE O SEU OBJETIVO PRIMORDIAL DE DETECTAR ALGUMAS DOENÇAS QUE PODEM CAUSAR SEQÜELAS GRAVES AO DESENVOLVIMENTO ECRESCIMENTO, O TESTE DEVE SER FEITO NO MOMENTO E DA FORMA ADEQUADOS. O MOMENTO PARA A COLETA, PREFERENCIALMENTE, NÃO DEVE SER INFERIOR A 48 HORAS DE ALIMENTAÇÃO PROTÉICA (AMAMENTAÇÃO) E NUNCA SUPERIOR A 30 DIAS, SENDO O IDEAL ENTRE O 3º E O 7º DIA DE VIDA. AS GESTANTES DEVEM SER ORIENTADAS, AO FINAL DE SUA GESTAÇÃO, SOBRE A IMPORTÂNCIA DO TESTE DO PEZINHO E PROCURAR UM POSTO DE COLETA OU UMLABORATÓRIO INDICADO PELO PEDIATRA DENTRO DESTE PRAZO. DESDE A PUBLICAÇÃO DA PORTARIA GM/MS Nº 822 (PORTARIA Nº 822), ASSINADA PELO MINISTRO JOSÉ SERRA, EM 6 DE JUNHO DE 2001, CRIANDO O PROGRAMA NACIONAL DE TRIAGEM NEONATAL (PNTN), TODOS OS ESTADOS BRASILEIROS CONTAM COM PELO MENOS UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA EM TRIAGEM NEONATAL E DIVERSOS POSTOS DE COLETA PARA O TESTE DO PEZINHO, ESPALHADOS POR TODOS OSMUNICÍPIOS DE CADA ESTADO. Locais MAIS CADA ESTADO TEM FASES DE HABILITÇÃO VEJA AGORA: .FASE I
DIAGNÓSTICO DE FENILCETONÚRIA E HIPOTIREOIDISMO CONGÊNITO
FASE II
DIAGNÓSTICO DE FENILCETONÚRIA, HIPOTIREOIDISMO CONGÊNITO, ANEMIA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS
FASE III
DIAGNÓSTICO DE FENILCETONÚRIA, HIPOTIREOIDISMO CONGÊNITO, ANEMIA FALCIFORME E OUTRAS HEMOGLOBINOPATIAS E FIBROSE CÍSTICA ||
|
UF | FASE | SRTNS |
AC | I
  | NÚCLEO DE ATENDIMENTO DE TRIAGEM NEONATAL – NATIVIDA RIO BRANCO
LABORATÓRIO NATIVIDA/PORTO VELHO |
AL | I | MATERNIDADE ESCOLA SANTA MÔNICA
LABORATÓRIO DA SANTA CASA DE MACEIÓ |
AM | I | HOSPITAL E MATERNIDADE DAOU/SEC ESTADO DA SAÚDE DO AMAZONAS
HEMOAM MANAUS |
AP | I | HOSP DA MULHER MÃE LUZIA
HEMOAP MACAPÁ |
BA | II | ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOSEXCEPCIONAIS DE SALVADOR – APAE – SALVADOR
LABORATÓRIO DA APAE SALVADOR |
CE | I | HOSPITAL INFANTIL ALBERT SABIN
LACEN DE FORTALEZA |
DF | I | HOSPITAL DE BASE DO DISTRITO FEDERAL
LABORATÓRIO DE HORMÔNIOS DO HOSPITAL DE BASE |
ES | II | ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS DE VITÓRIA - APAE- VITÓRIA
LABORATÓRIO DA APAE VITÓRIA |
GO | II | ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAISDE ANÁPOLIS – APAE- ANÁPOLIS
LABORATÓRIO DA APAE ANÁPOLIS |
MA | II | ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE SÃO LUÍS
LABORATÓRIO DA APAE SÃO LUÍS |
MT
  | I
  | FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO
LACEN DE CUIABÁ |
MS | II | ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS – APAE DE CAMPO GRANDE
LABORATÓRIO DO IPED – APAE CAMPO GRANDE |
MG | III | FACULDADE DE MEDICINA DA...
tracking img