Trabalhos Faculdades

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 39 (9655 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 3 de agosto de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto
1 – INTRODUÇÃO

As farmácias de manipulação também conhecidas como farmácias magistrais, são locais de grande atuação do profissional farmacêutico, resgatando a prática de preparar o medicamento de forma artesanal. Elas têm impulsionado o mercado farmacêutico, pois se apresentam como uma alternativa para um tratamento personalizado, com medicamentos/ produtos manipulados exclusivamente para umusuário, com finalidade profilática, curativa, paliativa, estética ou para fins de diagnósticos (BONFILIO et. al., 2011).
A prescrição magistral amplia a relação entre o médico e o paciente, permitindo que o médico adapte o medicamento de acordo com a necessidade de seu cliente. Ao farmacêutico magistral cabe a responsabilidade por toda a análise da formulação, que corresponde ao conhecimentofarmacotécnico, farmacológico, controle e garantia da qualidade (MIGUEL et. al., 2002).
Segundo Silva et.al. (2001), entre as vantagens e benefícios da farmácia de manipulação frente aos industrializados há:
Medicamentos Personalizados: O médico irá prescrever uma fórmula dosada e quantificada para a real necessidade de seu paciente, podendo ainda ser em doses que a indústria não fabrica ou emquantidades que a indústria não fabrica, evitando sobras e gerando economia;
Diversas apresentações: A indústria farmacêutica oferece apresentações restritas de um medicamento; geralmente eles são fabricados apenas para uso oral (forma de comprimidos ou cápsulas) ou na forma de injetáveis. As farmácias de manipulação produzem o mesmo medicamento em diversas formas, apresentações e concentraçõespermitindo melhor e maior adequação á necessidade de cada paciente.
Custo diminuído do tratamento: como a indústria tem altíssimos custos com a pesquisa e desenvolvimento de um novo fármaco, a farmácia de manipulação consegue diminuir bastante o preço final de um determinado medicamento comparado com o de referência ou de marca. Isso com certeza é um beneficio para o paciente e um atrativo para afarmácia, embora deva-se ressaltar que tal característica deve ser sempre acompanhada da qualidade do produto final.
Possibilidade de Produção de Produtos descontinuados pela Indústria;
Possibilidade de atender falta específica de medicamentos normalmente disponibilizados pela Indústria;
Grupos especiais de pacientes: Neste caso podemos incluir os pacientes com necessidades específicas comoterminais; de traumatologia (atletas amadores, profissionais ou olímpicos); em tratamento de reposição hormonal; pacientes hipersensíveis ou alérgicos a produtos industrializados como cosméticos, pasta de dente, xampu, sabonete, entre outros. Especificamente, no tratamento do câncer envolve ainda combinações, uso de drogas concomitantes que apenas existem devido à possibilidade de manipulação emfarmácias, bem como os medicamentos especiais para cirurgias oftálmicas ou ortopédicas que podem não estar disponíveis comercialmente;
Uso de produtos ainda não disponíveis no Brasil: O médico, principalmente, aquele que está sempre atualizado em congressos internacionais, pode prescrever a manipulação de um medicamento que está sendo utilizado com sucesso em outros países;
Medicamentos apresentadosnos estudos clínicos: A Farmácia Magistral e farmacêuticos especializados podem manipular medicamentos que ainda não estão disponíveis comercialmente e que são utilizados normalmente em vários estudos clínicos.
Já, dentre as limitações no uso do medicamento manipulado em comparação com o industrializado, pode-se destacar:
Medicamentos sob patente: muitos medicamentos novos estão indisponíveis paramanipulação, visto que estão protegidos pela lei de patente, que impõe um prazo determinado de tempo para que a droga seja disponibilizada para o comércio.
Tecnologia avançada: a indústria tem investido muito em novas tecnologias na produção de medicamentos, tecnologias essas indisponíveis para as farmácias de manipulação, que, por conseguinte, não consegue oferecer ao mercado (SILVA et.al,...