Trabalho

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1247 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 19 de agosto de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ




ANA PAULA ZAMBETTI DA SILVA – 710394
CESAR FELLIPE MACHADO –
TALITA NAIANNE SANTOS – 710399





SÍNTESE DA ASPIRINA





SANTO ANDRÉ
2012

ANA PAULA ZAMBETTI DA SILVA – 710394
CESAR FELLIPE MACHADO –
TALITA NAIANNE SANTOS – 710399



SÍNTESE DA ASPIRINA









Relatório apresentado como parte dos requisitospara aprovação na disciplina de Química Geral e Experimental I visando à obtenção do Grau de Engenheiro pelo Centro Universitário Fundação Santo André.
Professor Edvaldo Rossini




SANTO ANDRÉ
2012
SUMARIO

1. INTRODUÇÃO......................................................................................... 4
1.1Objetivos................................................................................................. 5
2. REVISÃO DA LITERATURA................................................................... 6
3. MATERIAIS E METODOS....................................................................... 7
3.1 Materiais
3.2 Métodos.
4. DISCUSSÃO E ANALISE DOS RESULTADOS..................................... 9
5.CONCLUSÃO..................................................................................... ’0
REFERÊNCIAS..................................................................................... 11
APÊNDICE A ........................................................................................ 12














1. INTRODUÇÃO
A aspirina (ácido acetilsalicílico, de nome sistemático ácido 2-acetoxibenzóico) é uma droga da família dossalicilatos com propriedades analgésicas, antipirética, anti-inflamatórias e antiplaquetar. É, em estado puro, um pó de cristalino branco ou cristais incolores, pouco solúvel na água e no éter e facilmente solúvel no álcool.
A origem do nome Aspirina: o “A” vem de acetil; “Spir” se refere a Spiraea ulmaria (planta que fornece o ácido salicílico) e o “in” era um sufixo utilizado na época.
Na década de1830, os químicos alemães purificaram o princípio ativo da casca do salgueiro e de uma outra planta, a ulmária (rainha-dos-prados). No entanto, em si, esse princípio ativo (o salicilato) é amargo e tem efeitos secundários graves, incluindo, em alguns casos, irritação gástrica aguda.
Em 1897, Felix Hoffmann e Arthur Eichengrün, da empresa alemã Friedrich Bayer & Co., adicionaram a um dos gruposhidroxilo do ácido salicílico um grupo acetilo (formando a aspirina), o que reduziu em grande extensão os efeitos negativos da droga.
Aspirina, em alguns países, é ainda nome comercial registrado, propriedade dos laboratórios farmacêuticos da Bayer para o composto ácido acetilsalicílico. No entanto, é igualmente reconhecido como nome genérico do princípio ativo, e é por esse nome que éhabitualmente referida na literatura farmacológica e médica.





1.1 Objetivos
O objetivo deste trabalho é obter a Aspirina (Ácido Acetilsalicílico), que é um cristal de cor branca, a partir do Ácido Salicílico e do Anidrido Acético. A reação acontecerá na presença de ácido sulfúrico que atua como catalisador.
Serão empregadas várias técnicas, como aquecimento em banho-maria, banho-frio, filtração avácuo e filtração simples, visando-se obter a cristalização completa.

















2. REVISÃO DA LITERATURA

No século V a.C., Hipócrates, médico grego e pai da medicina científica, escreveu que o pó ácido da casca do salgueiro ou chorão (que contém salicilatos mas é potencialmente tóxico) aliviava dores e diminuía a febre. Esse remédio também é mencionado em textos dascivilizações antigas do Médio Oriente, Suméria, Egito e Assíria. Os nativos americanos usavam-no também para dores de cabeça, febre, reumatismo e tremores. O reverendo Edmund Stone, de Chipping Norton no condado de Oxford, Reino Unido, redescobriu em 1763 as propriedades antipiréticas da casca do Salgueiro e as descreveu de forma científica. O princípio activo da casca, a salicina ou ácido...
tracking img