Trabalho real e prescrito

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 97 (24163 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de fevereiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Referências
CANGUILHEM, G. Meio e normas do homem no trabalho. Proposições, 12(2-3): 35-36, jul.-nov., 2001.
CLOT, Y. A Função Psicológica do Trabalho. Petrópolis: Vozes, 2006.
DEJOURS, C. O Fator Humano. São Paulo: Ed. FGV, 1997.
DANIELLOU, F. (Org.) A Ergonomia em Busca de seus Princípios: debates epistemológicos. São Paulo: Editora Edgard Blücher, 2004.
SCHWARTZ, Y. Actividade Laboreal,1(1): 63-64, 2005. Disponível em: <http://laboreal.up.pt >.
WISNER, A. A Inteligência no Trabalho: textos selecionados de ergonomia. São Paulo: Fundacentro, 1994.

ALVAREZ, D. & TELLES, A. L. Interfaces ergonomia-ergologia: uma discussão sobre trabalho prescrito e normas antecedentes. In: FIGUEIREDO, M. et al. (Orgs.) Labirintos do Trabalho: interrogações e olhares sobre o trabalhovivo.Rio de Janeiro: DP&A, 2004.
DANIELLOU, F. Le travail des prescriptions. In: Actes du 37ème Congrès de la SELF, “Les évolutions de la prescription” (Conférence inaugural), Aixen-Provence, 2002. Disponível em: < http://www.ergonomie-self.org/self2002/daniellou.pdf >.
GUÉRIN, F. et al. Compreender o Trabalho para Transformá-lo: a prática da ergonomia. São Paulo: Edgard Blücher Ltda,2001.
LEPLAT, J. & HOC, J.-M. Tarea y actividad en en el análisis psicológico de situationes. In: CASTILLO, J. & VILLENA, J. (Orgs.) Ergonomía: conceptos y métodos. Madrid: Editorial Complutense, 1998.
MONTMOLLIN, M. Vocabulaire de L’Ergonomie. Toulouse: Éditions Octarès, 1995.
SCHWARTZ, Y. Le Paradigme Ergologique ou un Métier de Philosophe.Toulouse: Octarès, 2000.
TEIGER, C. El trabajo,ese oscuro objeto de la Ergonomía. In: CASTILLO, J. & VILLENA, J. (Orgs.) Ergonomía: conceptos y métodos. Madrid: Editorial Complutense, 1998.

http://dab.saude.gov.br/informe_ab.php

Resumindo os pontos supracitados: os ergologistas defendem que a prescrição
é incapaz de promover todas as antecipações necessárias à execução do
trabalho e, nessa lacuna, é que o trabalhador faz uso desi arbitrando de 23
acordo com seus valores, experiências e com sua história e, por isso, acaba
por re-configurar os saberes da atividade e, conseqüentemente, o próprio
trabalho.

A abordagem ergológica demonstra que sempre haverá uma distância entre o
trabalho que é prescrito e o trabalho realmente desempenhado e nessa lacuna
os sujeitos fazem as escolhas que possibilitam o cumprimento doque se
propõem.

No serviço prestado pelas Equipes de Saúde da Família,
por mais que exista um protocolo de ação nas visitas domiciliares, por exemplo,
a forma como o serviço será prestado pelo profissional irá variar de acordo com
uma infinidade de elementos, como quem é o destinatário do serviço – idade,
sexo, religião, onde mora, se é receptivo ou não aos profissionais, se gosta ounão do profissional em questão, qual o horário da visita, se é perto do almoço,
se é muito cedo etc. Ou seja, uma série de fatores que carregam em si um
componente valorativo, o que ocorre também por parte do cidadão usuário:
quem é o agente de saúde, que informações eu forneço, quais medos revelo e
assim por diante. Para avaliar, então, o serviço dever-se-ia considerar esse
infinitoleque de aspectos, pois apenas um “atrito” em um deles pode,
facilmente, tornar o serviço “ruim”. Diante disso, a complexidade da questão de
avaliação de serviços está colocada.

De acordo com dados do próprio Ministério da Saúde, as unidades básicas de
saúde, funcionando corretamente, são capazes de resolver 85% dos problemas
de saúde em sua comunidade, através de atendimento adequadoe prevenção
de doenças, evitando internações desnecessárias e contribuindo para a
elevação da qualidade de vida da população (BRASIL, 2002).

TRABALHO REAL
Jussara Cruz de Brito
Como uma primeira definição de ‘trabalho real’ (‘atividade’), pode-se dizer que é aquilo que é posto em jogo pelo(s) trabalhador(es) para realizar o trabalho prescrito (tarefa). Logo, trata-se de uma resposta às...
tracking img