Trabalho de pesquisa

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (379 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 31 de julho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
ANÁLISE  DA  OBRA
    Para se compreender o "Auto da Barca do Inferno" deve-se ter em mente que essa obra foi escrita em um período da história que corresponde à transição da Idade média para a IdadeModerna. Seu autor, Gil Vicente, se enquadra justamente nesse momento de transição, ou seja, está ligado tanto ao medievalismo quanto ao humanismo. Esse conflito faz com que Gil Vicente pense em Deuse ao mesmo tempo exalte o homem livre.O reflexo desse conflito interior é visto claramente em sua obra, pois ao mesmo tempo em que critica, de forma impiedosa, toda a sociedade de seu tempo, adotandoassim uma postura moderna, ainda tem o pensamento voltado para Deus, característica típica do mundo medieval.
   O "Auto da Barca do Inferno", ao que tudo indica, foi apresentado pela primeira vez em1517 na câmara da rainha D. Maria de Castela, que estava enferma. Esse Auto, classificado pelo próprio autor como um "auto de moralidade", tem como cenário um porto imaginário, onde estão ancoradasduas barcas: uma como destino o paraíso, tem como comandante um anjo; a outra, com destino ao inferno, tem como comandante o diabo, que traz consigo um companheiro. Com relação a tempo, pode-se dizerque é psicológico, uma vez que todos os personagens estão mortos, perdendo-se assim a noção do tempo.
   Todas as almas, assim que se desprendem dos corpos, são obrigadas a passar por esse lugar paraserem julgadas. Dependendo dos atos cometidos em vida, elas são condenadas à Barca da Glorificação ou à do Inferno. Tanto o anjo quanto o diabo podem acusar as almas, mas somente o anjo tem o poder daabsolvição. Quanto ao estilo, pode-se dizer todo Auto é escrito em tom coloquial, ou seja, a linguagem aproxima-se a da fala, revelando assim a condição social das personagens, e todos o versos sãoRedondilhas maiores, sete sílabas poéticas.
   As rimas obedecem, geralmente, o esquema ABBAACCA, como se pode ver na fala do onzeneiro, transcrita abaixo:

"Olá, ó demo barqueiro! (A)

Sabeis vós no...
tracking img