Teorias da psicologia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2746 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de maio de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
A EVOLUÇÃO DA PSICOLOGIA
A imagem da psicologia contemporânea é caracterizada por seus extensos limites, sua complexidade e sua heterogeneidade. Uma explicação lógica para a complexidade e diversidade da psicologia contemporânea pode ser buscada num exame da história da investigação do homem sobre sua natureza.
Linhas históricas de investigação relativas ao homem e ao seu comportamento:* Teorização filosófica relativa ao homem e a sua mente.
* Interesse biológico e médico pelas funções corporais.
* Religião e ética.
* Treinamento infantil e educação.
* A causa e o tratamento de perturbações mentais.
* Teorias econômicas e políticas sobre o comportamento do homem na sociedade organizada.
* As contribuições da antropologia cultural e da sociologia paraa compreensão do comportamento humano.
É entre os filósofos gregos que surge a primeira tentativa de sistematizar uma Psicologia. O próprio termo psicologia vem do grego que significa alma e razão.
Os filósofos pré-socráticos preocupavam-se em definir a relação do homem com o mundo através da percepção. Discutiam se o mundo existe porque o homem o vê ou se o homem vê um mundo que jáexiste.
Sócrates faz com que a Psicologia na Antiguidade ganhe consistência. Sua principal preocupação era com o limite que separa o homem dos animais. Dessa forma, percebia-se que a principal característica do homem era a razão, que permitia o homem se sobrepor aos instintos, que seriam a base da irracionalidade.
Platão, discípulo de Sócrates, procurou definir um “lugar” para a razão nonosso próprio corpo, esse lugar seria a cabeça. A medula seria, portanto, o elemento, de ligação de alma com o corpo.
Aristóteles, discípulo de Platão, dizia que a alma e o corpo não podem ser dissociados. Para ele a alma seria o princípio ativo da vida. Tudo aquilo que cresce, se reproduz e se alimenta possui a sua alma. Desta forma, os vegetais, os animais e o homem teriam alma.
No ImpérioRomano, a psicologia era constantemente relacionada ao cristianismo, já que a Igreja Católica também monopolizava o saber e, consequentemente, o psiquismo.
Santo Agostinho, inspirado em Platão, fazia cisão entre alma e corpo. Mas, para ele, a alma não era apenas sede da razão mas a prova de uma manifestação divina no homem e imortal.
São Tomás de Aquino, inspirado em Aristóteles,buscava a distinção entre essência e existência. Ele considerava que o homem busca a perfeição através de sua existência e somente Deus seria capaz de reunir a essência a existência , encontrava também argumentos racionais para continuar garantindo a Igreja o monopólio do estudo do psiquismo.
Descartes, eminente filósofo, matemático e fisiológico, influenciou o desenvolvimento subseqüente dapsicologia através de sua teoria do dualismo psicofísico – a distinção entre mente e corpo – e de sua interpretação mecanicista do comportamento animal – o conceito de “animais sem mente”.
Nos séculos XVIII e XIX a mente e seu funcionamento tornaram-se objeto de grande interesse para os filósofos. Duas escolas de pensamentos diferentes se desenvolveram, uma conhecida como empirismo inglês e a outracomo racionalismo alemão. O empirismo acreditava que as percepções e idéias complexas fossem feitas de partes componentes mais simples ou elementos. Os racionalistas não admitiam a necessidade dessa abordagem analítica para o entendimento dos processos mentais, insistindo que a percepção de objetos são entidades por si mesmos, com qualidades características que seriam destruídas pela análise deseus componentes.
O primeiro laboratório de psicologia experimental, foi criado na Universidade de Leipzig, na Alemanha, em 1879, por Wilhelm Wundt.
Quando a nova psicologia experimental ingressou no século XX já haviam surgido diversos sistemas, ou “escolas”, controversos. Estes sistemas teóricos rivais representaram uma transição da psicologia filosófica dos dois séculos anteriores a...
tracking img