Teoria do conhecimento na antiguidade e na idade media

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 4 (958 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 23 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Teoria do conhecimento na Idade Média
Aquilo que a verdade descobrir não pode contrariar aos livros sagrados, quer do Antigo quer do Novo Testamento. (Santo Agostinho)

1. A patrística
No períodode decadência do Império Romano, quando o cristianismo ,se expande, surge a partir do século II a filosofia dos Pa¬dres da Igreja, conhecida também como patrística. No esforço de converter os pagãos,combater as heresias e justificar a fé, desen¬volvem a apologética, elaborando textos de defesa do cristianismo. Começa aí uma longa aliança entre fé e razão que se estende por toda a Idade Média eem que a razão é considerada auxiliar da fé e a ela subordinada. Daí a ex-pressão agostiniana "Credo ut intelligam", que significa "Creio para que possa entender".
Os Padres recorrem inicialmente àfilo¬sofia platônica e realizam uma grande síntese com a doutrina cristã, mediante adaptações consideradas necessárias.
O principal nome da patrística é Santo Agostinho (354-430), bispo de Hipona,cida-de do norte da África. Agostinho retoma a dicotomia platónica referente ao mundo sen¬sível e ao mundo das ideias e substitui esse último pelas ideias divinas. Segundo a teoria da iluminação, o homemrecebe de Deus o conhecimento das verdades eternas: tal como o sol, Deus ilumina a razão e torna possível o pensar correto.
Santo Agostinho viveu no final da Anti-guidade; logo depois Roma cai nasmãos dos bárbaros, tendo início o longo período da Ida¬de Média. Na primeira metade, conhecida como Alta Idade Média, continua sendo enor¬me a influência dos Padres da Igreja, e vários pensadores desaber enciclopédico retomam a cultura antiga, continuando o trabalho de ade¬quação às verdades teológicas.

2. A escolástica
A escolástica é a filosofia cristã que se desenvolve desde o século IX, temo seu apo¬geu no século XIII e começo do século XIV, quando entra em decadência.
Continua a aliança entre razão e fé, aquela sempre considerada a "serva da teolo¬gia". Com frequência as disputas...
tracking img