Simbolismo em portugal e no brasil

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3186 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de agosto de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Simbolismo
O Simbolismo foi uma escola literária do fim do século XIX, surgida na França como reação ao Realismo e, sobretudo, ao Parnasianismo. Essa escola caracterizou-se por apresentar uma visão subjetiva, simbólica e espiritual do mundo.

A primeira obra simbolista foi “As Flores do Mal”, de Charles Baudelaire, datada de 1857. No entanto, o termo Simbolismo foi usado pela primeira vezsomente em 1886, por Jean Moréas, que divulgou um manifesto no qual afirmava que simbolismo era o único termo capaz de designar as tendências artísticas da época.
Contexto histórico: O Simbolismo na Europa
O Simbolismo representou, na Europa, a estética literária do final do século XIX, que foi contra as propostas do Realismo, que valorizava o material e o objetivo. O Simbolismo é oposição vigorosaao triunfo de coisa e de fatos sobre o sujeito.
Simbolismo em Portugal
O Simbolismo foi introduzido por Eugênio de Castro com a obra Oaristos em l890 no
prefácio do livro ele delineou os princípios estéticos da nova escola.
O período compreendido entre l890 a l9l5 foi marcado por um aglomerado de correntes literárias e pensamentos, mostrando, por um lado à dissolução de valores tradicionais epor outro a procura de novos rumos para superar o estado calamitoso em que se encontravam as letras portuguesas.

O Simbolismo convive com o Realismo que junto caminha com um Naturalismo adoentado, já que em Portugal esta corrente quase não existiu.
Contexto histórico
Com a publicação de Oaristos, de Eugenio de Castro, em 1890, inicia-se oficialmente o Simbolismo português, durando até 1915,época do surgimento da geração Orpheu, que desencadeia a revolução modernista no país, em muitos aspectos baseada nas conquistas da nova estética.
Conhecidos como adeptos do Nefelibatismo (espécie de adaptação portuguesa do Decadentismo e do Simbolismo francês), e, portanto como nefelibatas (pessoas que andam com a cabeça nas nuvens), os poetas simbolistas portugueses vivenciam um momento múltiploe vário, de intensa agitação social, política, cultural e artística. Com o episódio do Ultimatum inglês, aceleram-se as manifestações nacionalistas e republicanas, que culminarão com a proclamação da República, em 1910.
Portanto, os principais autores desse estilo em Portugal seguem linhas diversas, que vão do esteticismo de Eugênio de Castro ao nacionalismo de Antônio Nobre e outros, atéatingirem maioridade estilística com Camilo Pessanha: o mais importante poeta simbolista português.
Principais autores e obras
Estes são os três maiores representantes do Simbolismo português:
 Eugenio de castro: "Oaristos", "Horas", "Interlúdio”
 Antonio nobre: "Só", "Despedidas", "Primeiros versos".
 Camilo pessanha: "Clépsidra", "China".
Eugenio de Castro e Almeida: (Coimbra, 4 de março de1869 — 17 de agosto de 1944) foi um escritor português.
Por volta de 1889 formou-se em Letras pela Universidade de Coimbra e mais tarde veio a lecionar nessa faculdade. Funda a revista "Os Insubmissos" com João Menezes e Francisco Bastos ainda nos últimos anos da sua licenciatura, mais propriamente em 1889. Colaborou com a revista que fundou e com a revista "Boémia nova", ambas seguidoras doSimbolismo Francês. Em 1890 entrou para a história da literatura portuguesa com o lançamento do livro de poemas "Oaristos", marco inicial do Simbolismo em Portugal.
A obra de Eugenio de Castro pode ser dividida em duas fases: na primeira, a fase simbolista, que corresponde a sua produção poética até o fim do século XIX, Eugenio de Castro apresenta algumas características da Escola Simbolista, como ouso de rimas novas e raras, novas métricas, sinestesias, aliterações e vocabulário mais rico e musical.
Na segunda fase ou neoclássica, que corresponde aos poemas escritos já no século XX, vemos um poeta voltado à Antiguidade Clássica e ao passado português, revelando certo saudosismo, característico das primeiras décadas do século XX em Portugal.
Poema
Na messe , que enlourece, estremece...
tracking img