Sei la

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 42 (10476 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
• RAM, REV. ADM. MACKENZIE, V. 13, N. 3, Ed. Especial • SÃO PAULO, SP • MAIO/JUN. 2012 • ISSN 1518-6776 (impresso) • ISSN 1678-6971 (on-line) •
Submissão: 15 jan. 2012. Aceitação: 27 mar. 2012. Sistema de avaliação: às cegas dupla (double blind review).
UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE. Walter Bataglia (Ed.), p. 45-68.

D

desenhos transculturais na
pesquisa organizacional:considerações teóricas e
metodológicas

VIRGÍNIA DONIZETE DE CARVALHO
Doutora em Psicologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia
da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).
Professora do Instituto de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal de Alfenas (Unifal).
Rua Celina Ferreira Ottoni, 4.000, Padre Vitor, Varginha – MG – Brasil – CEP 37048-395
E-mail:virginia.carvalho@unifal-mg.edu.br

LIVIA DE OLIVEIRA BORGES
Doutora em Psicologia pelo Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília (UnB).
Professora da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
Avenida Antônio Carlos, 6.627, sala 4.100, Pampulha, Belo Horizonte – MG – Brasil – CEP 31270-901
E-mail: liviadeoliveira@gmail.com

Este artigopode ser copiado, distribuído, exibido, transmitido ou adaptado desde que citados, de forma clara e explícita,
o nome da revista, a edição, o ano e as páginas nas quais o artigo foi publicado originalmente, mas sem sugerir que a
RAM endosse a reutilização do artigo. Esse termo de licenciamento deve ser explicitado para os casos de reutilização ou
distribuição para terceiros. Não é permitido ouso para fins comerciais.

• VIRGÍNIA DONIZETE DE CARVALHO • LIVIA DE OLIVEIRA BORGES •

RESUMO
A adoção de desenhos transculturais na pesquisa sobre o trabalho e as organizações tem sido uma tendência crescente nas últimas décadas, dentre outras
razões, por possibilitar compreender e lidar com diferenças e semelhanças
que emergem quando se atua em contextos culturais distintos. Acontinuidade
do processo de globalização da economia e do desenvolvimento nacional tem
fortalecido a importância da adoção de tais desenhos. No Brasil, é necessário,
entretanto, ampliar o envolvimento de pesquisadores com essa tendência, fato
que justifica uma análise sobre as especificidades dos estudos transculturais
no campo do trabalho e das organizações. A despeito de suas potencialidades,alguns cuidados são necessários na condução de tais estudos. Assim, é objetivo
desta revisão abordar os principais aspectos debatidos no campo da pesquisa
transcultural e sua aplicação nos estudos sobre o trabalho e as organizações.
Entre esses, o tratamento e a concepção apropriada de cultura e a identificação
do nível de análise a ser adotado no estudo são enfatizados. As especificidadesdiferenciadoras dos modelos transculturais mais difundidos são apresentadas
e a relevância do alinhamento dos contextos de pesquisa é abordada. Destacam-se a equivalência na seleção de amostras e na coleta de dados, a adequação na
tradução dos instrumentos de pesquisa e as checagens de possíveis diferenças
sistemáticas nos estilos de resposta entre os participantes. Atenta-se, por fim,
para osdesafios implicados na condução de estudos transculturais e salienta-se
que as possíveis limitações enfrentadas podem representar oportunidades para
futuros esforços e contribuir para o crescimento e desenvolvimento da pesquisa
nesse campo.
46

PALAVRA S - C H AV E
Desenhos transculturais; Pesquisa organizacional; Modelos transculturais;
Aspectos teóricos; Aspectos metodológicos.

• RAM,REV. ADM. MACKENZIE, V. 13, N. 3, Edição Especial •
SÃO PAULO, SP • MAIO/JUN. 2012 • p. 45-68 • ISSN 1518-6776 (impresso) • ISSN 1678-6971 (on-line)

• DESENHOS TRANSCULTURAIS NA PESqUISA ORGANIZACIONAL •

1

I NTR O D U Ç Ã O

A adoção de desenhos transculturais na pesquisa no campo de estudos do
trabalho e das organizações tem sido uma tendência crescente nas últimas décadas. A...
tracking img